Mensagens Com Amor Menu Search Close Angle Birthday Cake Asterisk Spotify Play PPS Book Download Heart Share Whatsapp Facebook Twitter Pinterest Instagram YouTube Telegram Copy Up Check

Siga-nos

Tão livre quanto o mar

Saia de sua zona de conforto e liberte-se! Abra a janela da sua alma e veja quantas possibilidades o mundo te oferece. Não fique parado no mesmo lugar para sempre. Fuja da rotina e transforme-se de dentro para fora!

continue lendo
Compartilhar

A melhor coisa que já senti

A liberdade é das melhores sensações que se deixam ser sentidas na vida. A liberdade que chega e nos “desaprisiona”, que literalmente nos liberta, que nos reanima, que faz com que a gente esteja bem conosco mesmos e sinta o frescor da vida a passar pelo tempo. Ele desacelera e a gente vive, vive com intensidade, com vontade, com todas as ganas de que tudo vai acontecer conforme a gente planejou.

Olhe pela janela, há muito a descobrir

É a liberdade que faz sentir frescor, mais vida, mais brisas no momento em que elas estão por aqui e que a gente precisa enfrentá-las. É a liberdade que abre as janelas e nos faz ver o mundo lá fora, o sol que brilha a pino e os brilhos que, talvez sem querer ou talvez querendo até muito, captamos para dentro de nós para fazer com que fossem sentidos da melhor forma possível. É a liberdade que te faz parar para ver esse tipo de coisa.

Livre, leve, solto e consciente

Sem amarras. Nada nos segura os punhos, as pernas ou as vontades próprias que despontam por nós. Podemos tudo e com toda capacidade: é possível, é factível e vai acontecer. O poder de uma pessoa que sente a liberdade em sua maior forma é quase que inenarrável de tão sublime, porque tudo respeita a ordem natural imposta por nós mesmos, da forma que vivemos e felizes por estar exatamente no ponto em que paramos.

Aprender, aplicar e absorver

E é só por viver que isso acontece. É como quando a gente vai jogar um daqueles jogos que não sabemos as regras e passamos horas lendo, relendo e tentando entender como funciona a mecânica, como é que vamos conseguir pôr tudo aquilo em prática quando, na verdade, tudo o que é necessário é pôr os dados pra rolar e avançar quantas casas estiverem marcadas. Às vezes, não é preciso tanta espera, só é preciso agir com intensidade, vontade e força: tudo vai.

A leveza de sonhar

Vai ser como a gente sempre esperou. Sabe quando olhávamos pro céu e planejávamos aquela imagem do sorriso tão largo no rosto e o vento soprando tão livre quanto nós conseguíamos nos sentir? É assim. É assim que vai ser — e que já acontece, muitas vezes a gente só não se atenta o quanto precisa. A gente quase não presta atenção no que acontece aqui dentro para notar o que é externo, não é assim que acontece? A gente só nota o pôr do sol de fora, mas nunca o nascer de uma luz forte que nos guie para a liberdade. Que nos chame para o que precisa ser visto.

Os presentes de dentro

A gente precisa olhar para o que cresce aqui, para o que já vive ao invés de apenas o que a gente quer que desabroche, que aconteça, que seja real. A gente precisa dar atenção ao que já conseguimos — afinal, é uma linda conquista conseguir se sentir livre com o sentimento que desponta no peito. É maravilhoso conseguir que nos soltemos de todas as amarras e voemos sobre nós mesmos, olhando com aquele olhar feliz e grato de quem conseguiu chegar ao que queria, que alcançou os sonhos, cumpriu os objetivos e pode sorrir com todo gosto. É assim que se nota a liberdade.

Abaixe o volume para ouvir

É uma pena. A música está alta demais para que a garota liberdade possa ser ouvida. Ela tenta uma, duas, três vezes. Vai desistir. Vai deixar de tentar essa ideia, deixar de lado talvez porque, de fato, não pareça de modo algum que pode dar certo. Mas, quase tão do nada quanto a possibilidade mais remota que podia ter passado pela nossa mente, surge uma chance. Como? É que, quando a gente se conecta com os mesmos ideais, para ter algum tempo disponível para ouvi-los, nos damos uma chance: nos permitimos ver, primeiro meio que de relance, que a liberdade veio estar conosco.

 

Liberdade personificada

Ela é daquelas mocinhas acanhadas que chegam com medo de se enturmar, que ficam olhando ao redor e até aceitam um ou dois canapés da bandeja da festa como uma tentativa de se fazer inserir no lugar. Ela toma coragem em algum rompante que vem: precisa aproveitá-lo o máximo que puder, pois, boa conhecedora de si mesma que é, sabe que essa sensação não dura muito tempo. Ela vai, vai tentar conversar com a dona da festa, mostrar sua presença, sorrir ternamente para ela, como talvez tenha passado dias, semanas, meses e até anos ensaiando para fazer.

Permita-se sentir

Para ser livre, basta deixar-se ser. Para ser livre, basta se sentir assim, passar por tudo na vida com leveza e a ver como um presente concedido: ser livre não é poder fazer tudo, mas fazer de tudo o que se pode as melhores experiências vividas em toda e qualquer existência onde seja possível. Exista livre, exista em você mesmo, insista. Insista em ser quem você é, em mostrar ao mundo que essência é o que conta, o que importa, o que interessa na liberdade. É peculiar, único e leve: é o verdadeiro combustível realizador de sonhos.

Cada detalhe de um mundo novo

É a liberdade que te abre os olhos, que te permite parar por alguns instantes para apenas reparar e ver o que não havia visto antes. A liberdade nos permite novas óticas, novas possibilidades e novidades que nem pareciam permitidas num mundo normal como esse em que parece que vivemos. Mas só parece. É que, a bem da verdade, num mundo liberto das coisas tão comuns é que a gente se sente verdadeiramente livre.

De fora para dentro

Fora que, na realidade, para se ser bastante verdadeiro, é aqui dentro de nós. O que podemos enxergar depois que concede a nós mesmos uma liberdade que antes não era vista passeando por esses lados do nosso interior e hoje caminha despretensiosamente? O que a gente vê? Podemos dizer algo a ela? Mais importante que isso é saber se, passado tanto tempo assim como passou, temos ainda alguma coisa relevante a ser dita. O que houve conosco que pudesse merecer um compartilhamento? Nada?

Parar em movimento: possibilidade

Parar é completamente modo de dizer: com liberdade, ninguém para verdadeiramente. Só observa mais, curte mais o momento, concede a si mesmo uma permissão irrevogável que, sendo assim, vai durar para todo o sempre. Parar é ter mais oportunidades. Lembra quando você queria tanto portas abertas? Pois então. Agora você as tem. Portas e janelas, inclusive. E vale ressaltar que, de modo algum, são abertas discretamente: são escancaradas mesmo. E é de propósito para que a gente tenha, assim, condições de ver tudo de mais bonito que há lá fora.

Sempre tudo, completamente

Esse é o problema. A gente sempre acha que nada é a resposta correta para essa pergunta, mas não é. A gente nunca é fruto ou produto de nada. Passamos por ações, transformações, escolhas e possibilidades que nos modificam. Mas, de toda maneira, mantenha a tranquilidade: isso não quer dizer de jeito nenhum que seríamos modificadas por completo ou que nos tornaríamos outra pessoa que não seria tolerável só porque as mudanças nos atingem. Não, não é assim. Só o que acontece é que a gente acaba aprendendo a equilibrar cada experiência.

Sempre em causa própria

Todas as coisas vão além quando a gente quer. Quando a gente precisa parar de esperar e só ir. Só rir. Sorrir de alma mesmo, sabe? Sorrir para aquilo que a vida te concede, para cada momento, para as pequenas coisas. Sorrir para o tropeço e mais ainda para o recomeço. Sorrir para o coração que se parte, mas muito mais para quem chega para consertá-lo — e nem precisa ser um relacionamento de namoro, casamento ou algo assim. Pode ser, inclusive, uma nova versão de nós mesmos. Precisa ser um relacionamento amoroso? Precisa sim! Ah, por quê? Só porque precisa haver amor, muito amor.

E a gente precisa disso. Precisa se amar, precisa aprender a aceitar o amor que vem e que às vezes a gente acha que precisa ignorar. A gente não precisa — nem mesmo quando tudo o que a gente busca é liberdade.

Passo um: dê um passo

Dá corda, coloca pilha, bateria, empurra, puxa, aperta o botão, corta o lacre. Faz o que for preciso para começar. Para ir lá, dar o primeiro passo para se sentir livre. Para se reconhecer de uma forma totalmente nova, para entender motivos, objetivos e projetos que antes pareciam incompreensíveis ou até irreconhecíveis sem as mudanças necessárias, pode-se bem dizer. Reconheça o seu redor, os seus novos ares, os detalhes que te cercam, os olhares que, de alguma forma te alcançam, o que você consegue pensar. Só sinta e, pelo menos nesse momento, deixe que seja exatamente assim.

Espelho, espelho meu

O primeiro passo para ser livre é, no entanto, aceitar a si mesmo. Como qualquer outra pessoa, temos nossos defeitos, nossas teimosias, mas também temos qualidades que se ressaltam, que fazem o melhor que podem dentro de nós. Como conviver com isso? Não é apenas aceitar e dizer: “Pronto, sou assim e não mudo nunca mais”. Somos seres em constante mudança de opinião — e isso não é ruim se for bem dosado. Não é ruim se a gente souber que os fatos que nos modificam também são positivos na maioria das vezes: nos fazem repensar.

Pensamentos esvoaçantes

A gente pensa que uma, duas, três, quatro vezes talvez seja o suficiente. Se pensar demais, desfoque. A fixação tem que estar em uma coisa: se compreender. O que é preciso mudar nas atitudes, nas palavras e nos pensamentos para que se torne ainda melhor? A resposta será o seu guia, o seu objetivo para trabalhar nesse ideal necessário de mudança: um defeito que te incomoda ou que fere demais a outras pessoas precisa ser corrigido: e, se você o tem, será preciso dizer que é exatamente você quem pode corrigi-lo, com suas próprias mãos e com sua mente focada em consertá-lo, em torná-lo nulo ou, a um primeiro passo, apenas um pouco mais atenuado, mais leve do que começou sendo.

Tempo x troca x interesse

Libertando-se disso é que vai conseguir se sentir livre perante à vida. Livre para executar suas ações sem precisar se preocupar com as opiniões alheias, se elas não lhe forem em nada construtivas. Livre para ter a sua essência liberta também, para ser exatamente quem você é, deixar a sua marca no mundo e as suas impressões digitais em tudo o que toca, mas nunca superficialmente: toca com olhar, com cuidado, com análise, com tempo dedicado. Toca com alma, com interiores tocados entre si. Toca com troca.

Deixe que as mudanças aconteçam

É das trocas que vive a liberdade. Da gente ser consciente de que não é preciso ser exatamente o mesmo sempre, viver igual a todo o tempo. Dá pra mudar, pode e deve. A gente muda e não é só porque nos influenciam. A gente muda porque percebe, porque quer, porque se liberta e tem total consciência de que somos completamente responsáveis pela liberdade que nos chega perto, que nos atinge, que entra em nós para ficar.

fechar