Mensagens Com Amor Menu Search Close Angle Birthday Cake Asterisk Spotify PPS Book Download Heart Share Whatsapp Facebook Twitter Pinterest Instagram YouTube Telegram Copy Up Check

Siga-nos

Bíblia Antigo Testamento

Lamentações

Nas páginas a seguir, você poderá ler o texto integral do livro Lamentações, um dos que compõem o grupo de Profetas Maiores do Velho Testamento.

Tradicionalmente, aponta-se o profeta Jeremias como o autor deste livro, embora certos estudiosos considerem que um dos discípulos do profeta também possa ser o autor. Escrito em estilo poético, provavelmente entre os anos de 586 a 575 a.C., após a destruição de Jerusalém pelos babilônicos.

Lamentações trata da tristeza que cerca o povo de Israel, humilhado, cativo e exilado depois de verem sua nação tomada e arrasada pelos invasores. As elegias, o formato de poema no qual o livro é escrito, são lamentos poéticos de tristeza, geralmente associados aos funerais ou ao luto. Lamentações é composto por cinco elegias. Nelas, o povo de Israel é descrito como uma viúva, que, além do marido, perdeu também todo o resto. A destruição de Jerusalém e das instituições de Israel ocorreram, segundo aponta o livro, devido às más ações do povo, sua idolatria e sua infidelidade à aliança firmada com Deus. O profeta Jeremias havia previsto tais consequências e agora lamenta vê-las se tornarem reais.

Há no livro um apelo à misericórdia divina, o arrependimento do povo por suas ações e o reconhecimento de que houve clemência, mesmo quando Deus permitiu a destruição de Judá, pois parte de seus filhos ainda vivem e carregam a fé e a memória de Israel.

A tristeza expressa em meio à catástrofe leva as lembranças do apogeu de Jerusalém e semeia também a esperança. Embora a ausência de uma resposta divina leve, a princípio, ao medo de que Deus tenha abandonado Israel por completo, a eternidade das graças divinas contornariam esse medo. O povo arrependido sabe que pode voltar a Deus e encontrar nele compaixão.

Reflita sobre a fé e a esperança com essa obra de grande força poética.