Melhores Poemas

Nada melhor que ler e refletir um pouco, não é? Confira a seleção com os dez melhores poemas da atualidade. Mergulhe em textos brilhantes e inspire-se!

Os 10 melhores poemas de todos os tempos

Trinta convidados — escritores, críticos, professores, jornalistas — responderam, entre obras poéticas conhecidas, quais são os melhores poemas de todos os tempos. Cada participante poderia indicar entre um e dez poemas. Nenhum autor poderia ser citado mais de uma vez. 69 poemas foram indicados, mas destes apenas 23 tiveram mais de três citações. São eles: “O Cão Sem Plumas” e “Morte e Vida Severina”, de João Cabral de Melo Neto; “Campo de Flores” e “A Máquina do Mundo”, de Carlos Drummond de Andrade; “Romanceiro da Inconfidência”, de Cecília Meireles; “Via Láctea”, de Olavo Bilac; “Canção do Exílio”, de Gonçalves Dias; “Romanceiro Gitano”, de Federico García Lorca; “Poema do Fim”, de Marina Tzvietáieva, “Nalgum Lugar em que Nunca Estive”, de e. e. cummings; “Anabase”, de Saint-John Perse; “A Divina Comédia’, de Dante Alighieri; “Funeral Blues”, de W.H. Auden; “O Corvo”, de Edgar Allan Poe; “Terra Desolada”, de T.S. Eliot; “Tabacaria”, de Fernando Pessoa; “Poema Sujo”, de Ferreira Gullar; “Cântico Negro”, de José Régio; “À Espera dos Bárbaros”, de Konstantinos Kaváfis; “E Então, Que Quereis?...”, de Vladímir Maiakóvski; “Os Estatutos do Homem”, de Thiago de Mello, e “Hugh Selwyn Mauberly”, de Ezra Pound.

Abaixo, a lista baseada no número de citações. Três poetas brasileiros estão na lista: Carlos Drummond de Andrade, Ferreira Gullar e Thiago de Mello.

O Corvo

Edgar Allan Poe

Meia-noite cava, quando, exausto, eu meditava
Nuns estranhos, velhos livros de doutrinas ancestrais
E já quase adormecia, percebi que alguém batia
Num soar que mal se ouvia, leve e lento, em meus portais.
Disse a mim: "É um visitante que ora bate em meus portais´-
É só isto, e nada mais."

Ah! tão claro que eu me lembro! Era um frio e atroz dezembro
E as chamas no chão, morrendo, davam sombras fantasmais,
E eu sonhava logo o alvor e pra acabar com a minha dor
Lia em vão, lembrando o amor desta de dons angelicais
A qual chamam Leonora as legiões angelicais,
Mas que aqui não chamam mais.

E um sussurro triste e langue nas cortinas cor de sangue
Assustou-me com tremores nunca vistos tão reais,
E ao meu peito que batia eu mesmo em pé me repetia:
"É somente, em noite fria, um visitante aos meus portais
Que, tardio, pede entrada assim batendo aos meus portais.
É só isto, e nada mais.

Neste instante a minha alma fez-se forte e ganhou calma
E "Senhor" disse, ou "Senhora, perdoai se me aguardais,
Que eu já ia adormecendo quando viestes cá batendo,
Tão de leve assim fazendo, assim fazendo em meus portais
Que eu pensei que não ouvira" - e abri bem largo os meus portais: -
Treva intensa, e nada mais.

Longamente a noite olhei e estarrecido me encontrei,
E assustado, tive sonhos que ninguém sonhou iguais,
Mas total era o deserto e ser nenhum havia perto
Quando um nome, único e certo, sussurrei entre meus ais -
- "Leonora" - esta palavra - e o eco a repôs entre meus ais.
E isto é tudo, e nada mais.

Comentários