Mensagens Com Amor Menu Search Close Angle Birthday Cake Asterisk Play PPS Book Download Heart Whatsapp Whatsapp Facebook Twitter Pinterest Instagram YouTube 9 Giga Up

Vladimir Maiakovski

Vladimir Vladimirovitch, poeta, dramaturgo e teórico russo foi um dos principais poetas do século XX. Era considerado "o poeta da Revolução" ou "o poeta do Futurismo". Seus gêneros principais foram o futurismo e o cubismo, mas ele encerrou sua carreira cedo quando morreu aos 36 anos.

Arte

Vladimir Maiakovski

A arte não é um espelho para reflectir o mundo, mas um martelo para forjá-lo.

Criança

Vladimir Maiakovski

Se a criança é um porquinho, quando adulto não poderá ser outra coisa senão um porco.

Amar

Vladimir Maiakovski

Amar não é aceitar tudo. Aliás: onde tudo é aceito, desconfio que haja falta de amor.

Poetas

Vladimir Maiakovski

Chama-se poeta justamente o homem que cria estas regras poéticas.

Linguagem falada

Vladimir Maiakovski

Uma outra razão da dificuldade da tradução de meus versos vem de que introduzo nos versos a linguagem falada.

Compreendendo versos

Vladimir Maiakovski

Tais versos só são compreensíveis e só têm graça se se sente o sistema geral da língua, e são quase intraduzíveis, como jogos de palavras.

Poesia

Vladimir Maiakovski

A poesia é uma forma de produção. Dificílima, complexíssima, porém produção.

Sem regras

Vladimir Maiakovski

Eu não forneço nenhuma regra para que uma pessoa se torne poeta e escreva versos. E, em geral, tais regras não existem.

Coração

Vladimir Maiakovski

Todo mundo sabe, o coração tem moradia certa, fica bem aqui no meio do peito. Comigo a anatomia ficou louca, sou todo coração.

Permissão

Vladimir Maiakovski

Eu
à poesia
só permito uma forma:
concisão,
precisão das fórmulas
matemáticas.
Às parlengas poéticas estou acostumado,
eu ainda falo versos e não fatos.
Porém
se eu falo
"A"
este "a"
é uma trombeta-alarma para a Humanidade.
Se eu falo
"B"
é uma nova bomba na batalha do homem.

Fantasia

Vladimir Maiakovski

Desatarei a fantasia em cauda de pavão num ciclo de matizes, entregarei a alma ao poder do enxame das rimas imprevistas.
Ânsia de ouvir de novo como me calarão das colunas das revistas esses que sob a árvore nutriz es-
cavam com seus focinhos as raízes.

Caso enterrado

Vladimir Maiakovski

O mar se vai
o mar de sono se esvai
Como se diz: o caso está enterrado
a canoa do amor se quebrou no quotidiano
Estamos quites
Inútil o apanhado
da mútua dor mútua quota de dano.