Mensagens Com Amor Menu Search Close Angle Birthday Cake Asterisk Spotify Play PPS Book Download Heart Whatsapp Whatsapp Facebook Twitter Pinterest Instagram YouTube 9 Giga Up

Pais incríveis da ficção

Ser pai não é uma tarefa fácil! Mas com amor e carinho, fica muito mais fácil! E para ficar mais fácil ainda, nós fizemos uma seleção dos melhores pais dos filmes e seriados. Espelhe-se nos pais incríveis da ficção!

Marlin

Procurando Nemo

Malirn é o pai adorável e superprotetor que derrete todo mundo em “Procurando Nemo”! Ao lado da esquecida “peixinha” Dory, Marlin se lança numa corajosa aventura para encontrar seu filho desaparecido e nos lembra, a todo momento, de que pais são realmente nossos heróis.

Pai

Viggo Mortensen - A Estrada

Em “A Estrada”, baseado num romance de Cormac McCarthy, pai (Viggo Mortensen) e filho (Smit-Mcphee), lutam pela sobrevivência num mundo pós-apocalíptico. Vale tudo, até canibalismo, mas o pai se esforça para transmitir ao filho princípios humanitários em pleno caos e diante de constantes ameaças. Um pai assim é que a gente admira, não é mesmo?

Pat Solitano

Robert De Niro - O Lado Bom da Vida

“O Lado Bom da Vida” é um filme cheio de boas surpresas, e uma das melhores é Robert De Niro como Pat Solitano, um pai cheio de manias, superstições e pouquíssima habilidade para lidar com o filho, Pat Solitano Jr. (Bradley Cooper). Os dois vivem às turras e apenas a paixão pelo mesmo time de futebol é capaz de acalmar os ânimos. E não é que existem muitos pais e filhos assim?

Daniel Hillard

Robbie Williams - Babá Quase Perfeita

Não tem pai mais incrível do que aquele que topa se travestir, aumentar a idade, trabalhar de babá e emular uma voz horrenda apenas para se reaproximar das crianças. Por isso, Robbie Williams em uma “Babá Quase Perfeita” é um dos melhores pais da ficção

Ed Bloom

Albert Finney - Peixe Grande e Suas Histórias

“Peixe Grande” é um filme sobre um pai cheio de histórias que está à beira da morte (Albert Finney). Assim, seu filho (Billy Crudup) tenta resgatar os laços com o velho homem, ouvindo suas memórias. Como é dirigido por Tim Burton, além da história emocionante, traz também um enorme cuidado estético. Conta-se, aliás, que o filme tem um significado importante para o cineasta, que perdeu pai e mãe pouco antes de começar a filmá-lo.

Dexter

Michael C. Hall - Dexter

Não é nada bom ser um assassino — e gostar da “brincadeira”. Mas nem por isso Dexter (Michael C. Hall), da série homônima, deixa de ser um ótimo pai. Seu maior medo é de que o desejo de matar seja genético e acabe transformando Harrison Morgan numa cópia de si mesmo, no futuro. Além disso, toma todos os cuidados para preservar o menino de qualquer influência nefasta. Tirando a canseira que dá nas babás quando precisa “resolver um problema”, o viúvo Dexter se sai muito bem na tarefa.

Guido Orefice

Roberto Benigni - A Vida É Bela

Em “A Vida É Bela”, o sonhador personagem de Roberto Benigni fez todo mundo chorar ao transformar um campo de concentração num ambiente lúdico — tudo para que seu filho pequeno não tivesse de testemunhar os horrores do holocausto. Pela ótica da fantasia, tudo ali se tratava de uma competição, e os bravos que chegassem ao final vitoriosos ganhariam um tanque de verdade e voltariam para a casa. Tragam o lenço, por favor!

Chris Gardner

Will Smith - À Procura da Felicidade

“À Procura da Felicidade” mostrou o lado dos pais que criam seus filhos sozinhos e, no caso de Chris Gardner (Will Smith), passam o maior perrengue. Endividado, desacreditado e sem perspectiva após investir em um negócio que não lhe trouxe nenhum lucro, esse pai obstinado decide mudar tudo e se esforçar mais do que pensava ser possível. É ajudado pelo filho (interpretado por Jaden Smith, filho de Will Smith na vida real), um menino muito, muito fofo!

Will Freeman

Hugh Grant - Um Grande Garoto

Na adaptação para o cinema de “Um Grande Garoto”, livro de Nick Hornby, não existe uma relação paterna real. Will Freeman (Hugh Grant) cai numa chantagem de Marcus (Nicholas Hoult), um menino de 12 anos, e é obrigado a fazer companhia ao rapazote. Mas a ligação entre os dois acaba sendo profunda e transformadora, resgatando a máxima da sabedoria popular que diz: pai não é só quem faz, é quem cria!

Matt King

George Clooney - Os Descendentes

George Clooney em “Os Descendentes” é, provavelmente, o pai mais cafona com aquelas camisas havaí-inspired, e também um pai possível. Desacostumado a lidar com as filhas, sofre para cumprir a tarefa quando sua mulher entra em coma — e dele jamais sai. Ao mesmo tempo, descobre que ela estava tendo um caso e decide perseguir o amante. A jornada traz questões familiares delicadas à tona e um grande aprendizado sobre ser pai!