Mensagens Com Amor Menu Search Close Angle Birthday Cake Asterisk Spotify Play PPS Book Download Heart Whatsapp Whatsapp Facebook Twitter Pinterest Instagram YouTube 9 Giga Up

30 mais belas frases de O Grande Gatsby

Escrito em 1925, 90 anos atrás, este clássico da literatura americana, de F. Scoot Fitzgerald, é considerado um dos melhores romances do mundo. Seu conteúdo guarda críticas ao sonho americano, à primeira guerra mundial e personifica a decadência do amor. Embarque nesta história de luxo e dor.

Momentos

F. Scott Fitzgerald

Devia ter havido momentos, mesmo naquela tarde, em que Daisy ficara muito aquém de seus sonhos — não por culpa dela, mas devido à enorme vitalidade da ilusão que ele alimentara. Sua ilusão tinha-se projetado além dela, além de tudo. Ela lançara-se ao seu sonho com uma paixão criadora, acrescentando-lhe incessantemente alguma coisa, enfeitando-o com todas as vigorosas plumagens com que deparava. Quantidade alguma de ardor ou de entusiasmo pode competir com aquilo que um homem pode armazenar em seu fantasmagórico coração.

Casualidades

F. Scott Fitzgerald

O bar está em pleno funcionamento, e flutuantes bandejas de coquetéis espalham-se pelo jardim, e o ar torna-se vibrante de conversas e de risos, de insinuações e apresentações esquecidas no mesmo momento, de animadas conversas entre grupos de mulheres que jamais souberam o nome umas das outras.

Vida boêmia

F. Scott Fitzgerald

No encantado crepúsculo metropolitano, eu sentia, às vezes, em mim e nos outros, uma obsedante solidão, ao ver os pobres e jovens empregados caminhar a esmo diante das vitrinas, à espera de que fosse hora de jantar num restaurante solitário... jovens empregados ao crepúsculo, desperdiçando o momento mais pungente da noite e da vida.

Isolar-se

F. Scott Fitzgerald

E eu gosto de festas grandes. Elas são tão íntimas! Nas pequenas reuniões não há isolamento algum.

Sr. Gatsby

F. Scott Fitzgerald

Havia em seus movimentos tranquilos e na posição segura com que firmava os pés no gramado algo que sugeria estar ali o próprio Sr. Gatsby, que saíra de casa a fim de constatar qual o quinhão que lhe cabia de nosso céu local.

Solidão

F. Scott Fitzgerald

Ele, casualmente, conferiu-me a liberdade de quem não se sente só.

Exibições

F. Scott Fitzgerald

Quase todas as exibições de completa auto-suficiência arrancavam de mim um assombrado tributo.

Tristeza e solidão

F. Scott Fitzgerald

Veja, eu geralmente me acho no meio de estranho, porque eu vou aqui e ali, tentando esquecer as coisas tristes que me aconteceram.

Vida que passa

F. Scott Fitzgerald

Mas tudo passava agora demasiado depressa diante de seus olhos turvos, e ele sentiu que perdera para sempre uma parte de tudo aquilo — a parte mais fresca e melhor.

Lembranças

F. Scott Fitzgerald

Era como se em minha mente revoasse um ritmo elusivo, um fragmento de palavras perdidas, algo que havia escutado em algum lugar muito tempo antes. Por um momento, tentei formar uma frase, mas meus lábios se abriram hesitantes, como se esforçam os lábios de um mudo, como se houvesse algo mais lutando para sair do que apenas um sopro de se. Mas não foi produzido nenhum som. E aquilo que eu quase lembrara, permaneceu incomunicável para sempre.

Mês de amor...

F. Scott Fitzgerald

Eles nunca estiveram mais próximos naquele mês de amor, nem se comunicaram mais profundamente um com o outro.

Recomeçar

F. Scott Fitzgerald

E assim, com a luz e as grandes explosões de folhas que crescem nas árvores, assim como as coisas crescem rápido nos filmes, eu tinha a convicção familiar de que a vida estava recomeçando com o verão.

Um sorriso indecifrável

F. Scott Fitzgerald

Sorriu compreensivamente – ou muito mais do que isso. Era um desses raros sorrisos que têm em si algo de segurança eterna,um desses sorrisos com que a nós talvez nos deparemos quatro ou cinco vezes na vida. Um sorriso que, por um momento, encarava – ou parecia encarar – todo o mundo infindável, e que depois se concentrava em nós com um preconceito irresistível a nosso favor. Um sorriso que nos compreendia só até o ponto em que nós queríamos ser compreendidos, que acreditava em nós como nós gostaríamos de acreditar, assegurando-nos que tinha de nós exatamente a impressão que, na melhor das hipóteses, esperávamos causar.

Honestidade

F. Scott Fitzgerald

(...) havia entre nós um vago entendimento que precisaria ser rompido com tato antes que eu pudesse sentir-me livre. Cada um de nós desconfia que possui pelo menos uma das virtudes cardinais - e a minha é esta: sou uma das poucas criaturas honestas que jamais conheci.

Devaneios

F. Scott Fitzgerald

Durante algum tempo, esses devaneios proporcionavam uma válvula de escape à sua imaginação; eram uma sugestão satisfatória da irrealidade da realidade, uma promessa de que o rochedo do mundo se apoiava com segurança sobre uma asa encantada.

Um único sonho

F. Scott Fitzgerald

(...) perdera aquele seu cálido e antigo mundo, pago um preço demasiado alto por haver vivido com um único sonho.

Encanto da vida

F. Scott Fitzgerald

Eu estava dentro e fora, simultaneamente encantado e repelido pela variedade inesgotável da vida.

Sobre a amizade

F. Scott Fitzgerald

Deixe-nos aprender a mostrar a nossa amizade a um homem quando ele está vido, e não quando ele está morto.

Olhar

F. Scott Fitzgerald

Já faz muito tempo que alguém olhou para mim desta forma.

Desigualdade

F. Scott Fitzgerald

Um fato fundamental da vida é que qualidades como decência e dignidade são distribuídas aos homens com grande desigualdade ao nascerem.

Sonhos que se foi

F. Scott Fitzgerald

Ele não sabia, no entanto, que o sonho havia ficado para trás, perdido em algum lugar dentro daquela vasta obscuridade que se estendia além da cidade, em que os campos escuros se estendiam para muito além da noite.

Estações

F. Scott Fitzgerald

Era uma noite fria, com aquela excitação misteriosa que caracteriza somente as duas grandes mudanças de estação.

Erros

F. Scott Fitzgerald

Eu não poderia perdoá-lo, ou gostar dele, mas eu via que aquilo que ele havia feito, era, para ele, inteiramente justificável.