Mensagens Com Amor Menu Search Close Angle Birthday Cake Asterisk Spotify Play PPS Book Download Heart Share Whatsapp Facebook Twitter Pinterest Instagram YouTube Telegram Copy Up Check

Siga-nos

Avós Modernos

Aquela visão de um senhor ou senhora sentado em uma cadeira de balanço lendo um jornal ou tricotando meias já é passado. Hoje temos velhinhos criando aplicativos, praticando esportes radicais e até paquerando nas redes sociais. Surpreenda-se!

continue lendo
Compartilhar

Dicas

Aí vão algumas dicas para os vovôs internautas de primeira viagem:

1) Procure um curso de computação para impulsioná-lo a usar a máquina.
2) Não tenha medo de errar.
3) Pergunte sempre a alguém sobre suas dúvidas.
4) Tente fazer você mesmo, e não fique nervoso com os seus erros.
5) Fuçar é uma maneira interessante de conhecer os recursos dos computadores.
6) Crie perfis nas redes sociais, você vai rever amigos, parentes e conhecer
pessoas novas.
7) Crie e-mails e outras ferramentas para se comunicar.
8) Nunca deixe de se atualizar.

Avós High-Tech

Charlie e Maria

O casal de avós americanos Charlie e Maria Girsch, insatisfeitos com as formas de contatos existentes como interurbanos muitos caros e a má qualidade do Skype, desenvolveram um aplicativo para se comunicar com os netos que moram longe.
A aplicativo batizado de FamZoom estimula a interação em tempo real com as crianças por possuir uma interface fofa que dá para conversar, jogar, desenhar ler e fazer videochamadas. Tudo isso com a participação dos avós.
- Quando eu mexo uma peça no jogo de quebra cabeças no iPad aqui, ela também se move no iPad de Jhonny (neto) - explica Maria.
Os netos se surpreenderam com tal façanha dos avós.
- Eles acham que somos loucos - brinca Charlie.
O casal já tem uma história com brinquedos para crianças. Ambos são designers de brinquedos e já licenciaram mais de 200 produtos para a Mattel, Playskool e Fisher-Price.

Inteirada nas Redes Sociais

Irmãs Mafalda e Zoraide Ribeiro

Entre sete irmãs, Mafalda e Zoraide Ribeiro de 69 e 67 anos respectivamente, eram as únicas a não saber mexer em um computador. Em uma conversa informal ficaram sabendo de um curso de informática voltado à terceira idade. A mãe das irmãs, Luíza Soares Ribeiro também se interessou e as três começaram o curso. Com duração de 45 dias, aprenderam a usar programas básicos de edição de texto, trocar e-mails, fazer pagamentos online, brincar com jogos e conheceram as redes sociais.
Como síndica do prédio onde mora, Mafalda durante o dia se dedica aos afazeres domésticos e às obrigações de seu cargo. Durante a noite fica conectada. Segundo ela, gosta de visitar sites de notícias, assistir shows do Roberto Carlos no YouTube e papear com as amigas no Facebook.
- Meus filhos não tinham tempo e paciência de me ensinar a mexer.
Zoraide, sua irmã, já possuía um perfil no Facebook para divulgar os trabalhos artesanais da mãe.

90 Anos e Jogando Futebol

Seu Arno, 90 anos

Com uma vida completamente ativa aos 90 anos, Seu Arno faz sucesso nas peladas que disputa nas praias do Rio de Janeiro. Representante farmacêutico, não abre mão das peladas todos os domingos. Começou a jogar futebol em 1950, aos 29 anos, no clube Monte Líbano e continua dando expediente por lá até hoje.
- O futebol na minha vida é motivo para eu viver. É a compensação - disse Seu Arno.
Arno não se intimida. Joga na defesa, ajuda na marcação e corre até de costas. Em bola alta, corta com a cabeça. Leva a fama de capitão do time, pois dá muitas ordens e broncas nos amigos, mas sem pronunciar um palavrão.
- Para mim, o palavrão é o esforço máximo que todo ignorante faz pra se sentir compreendido.
O dia a dia do atleta, podemos assim dizer é agitado. Seu Arno levanta e leva os dois netos para a escola. Corre, vai para o hospital, farmácia ou laboratório conversar com os vendedores. A tarde volta para casa, faz sauna e vai para o teatro ou cinema. Vai dormir às 23h e levanta às 7h. Seu Arno diz que não gosta de ficar em casa. Qualquer motivo faz ele sair.

Gerações

A geração dos avós de hoje viveu em uma época que cartas demoravam meses entre ser escrita e ser recebida. Hoje, a internet com suas facilidades e rapidez, os encantam. Com o tempo livre e sem pressa que essa idade proporciona, os idosos internautas não tem medo de arriscar. O que era desafio se tornou companhia, entretenimento, juventude, saúde, e principalmente, aproximaram as relações com os netos.

Inclusão

Marisa Sanabria

Integrante do Conselho Regional de Psicologia e mestre em filosofia, Marisa Sanabria afirma que com as novas mídias, a faixa etária não é vista como isolamento. Retornos imediatos são dados e isso traz a sensação de fazer parte desse universo.
- Ao envelhecer não se perde a convivência - diz Marisa.

Mundo Virtual

Apaixonada pela era da tecnologia, Maria da Purificação Figueiredo Sepúlveda, 74 anos, é uma internauta de mão cheia. Por meio de um iPad conversa com a filha Mônica, que mora na Alemanha.
- Estou livre. Sou uma pessoa ativa. A gente não pode ficar apática desse universo. Converso com minhas amigas, meus filhos e netos pela web. Moro sozinha, e assim, estou ligada a outras pessoas.

 

Ativa

Maria Arminda, 84 anos

Após perder os pais com Alzheimer, Maria Arminda Lopes de 84 anos resolveu se manter ativa para evitar problemas de saúde. Em 1998 se curou de um câncer na tireoide e em 2009 sofreu um AVC que a deixou de cama por dois anos. Hoje após todos os problemas, Maria pratica academia, faz caminhadas, crochê e navega pela internet. Com o uso do mouse, ela recuperou todos os movimentos do lado direito do corpo.
- Tive meu primeiro computador aos 60 anos, não sabia nem o que era um mouse. Fiz um curso de computação por uma semana e fuçando fui aprendendo a mexer na máquina. - diz Maria.
Após meses online, Maria hoje mexe com jogos, Facebook e e-mail todos os dias. Adquiriu um Smartphone recentemente onde acessa tudo que precisa fora de casa.
- A gente trabalha o raciocínio, se atualiza com as notícias e se diverte. Tenho uma neta que está fazendo intercâmbio e mantenho contato com ela. Acompanho as fotos nas redes sociais e trocamos e-mails. - Conta.

Lazer

Rodrigo Ribeiro dos Santos

Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia/MG, Rodrigo Ribeiro dos Santos, a população de idosos se divide em dois grupos. Aqueles que aproveitam as novas tecnologias e aprendem a usar e os que tem preconceito contra elas. Rodrigo afirma que todos os cidadãos deveriam fazer atividades para manter o bom funcionamento do cérebro.
- Os que usam estão tentando reduzir o isolamento social e estão vendo aí um lazer e uma distração -afirma.

Não Envelhecer a Mente

Adalberto Fernandes, 70 anos

Através dos filhos e netos que Adalberto Fernandes de Souza começou a interagir com a tecnologia. Começou aos poucos a mexer em computadores e celulares.
- Hoje uso para redigir textos, conversar pelo Skype, mandar e-mails e pagar contas, é mais seguro do que ir ao banco - conta.
Adalberto também comenta que é preciso fazer exercícios para a mente funcionar e que a tendência é a memória comece a faltar e as lembranças são perdidas.
Ele e o neto Samuel, de 8 anos, brincam juntos com jogos virtuais. Adalberto afirma que sempre é chamado por Samuel para jogar.
- Vamos trocando idéias e batendo papo. É muito bom.
Dessa forma se aproxima cada vez mais do neto e compreende melhor a linguagem dele.

Dados Estatísticos

IBGE

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os idosos, acima de 60 anos, somam 23,5 milhões de brasileiros, mais que o dobro de 1991. Na comparação entre 2009 e 2011, houve um aumento de 7,6%, mais de 1,8 milhão de pessoas. São Paulo é o Estado com maior número de idosos: 5,4 milhões.

Amantes da Vida

Ana Maria, 68 anos, Maria Eugênia, 65, Ana Devito, 38

Três amigas decidiram criar um site direcionado à pessoas com mais de 50 anos. o site reúne dicas de viagens, espetáculos, restaurantes e textos bem-humorados. A iniciativa bombou e o site recebeu mais de 80 mil acessos nos primeiros meses.
Ana Maria, Maria Eugênia e Ana Devito tiveram a idéia após perceberem que não havia na rede algo para pessoas acima de 50 anos.
- "Só se falava de problemas de saúde. Então resolvemos "bombar" o meio virtual com coisas divertidas e cheias de vida", conta Maria Eugênia.

Cursos

A demanda dessa geração que renasce e quer aprender tudo sobre as novas mídias já tem reflexo nos cursos. De acordo com Renato Veras, geriatra e diretor-geral da Universidade Aberta da Terceira Idade, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), há na escola 3 mil idosos.
- Temos 120 cursos, sendo que um dos mais procurados é o de informática - diz.

Criativos

Carlos Eduardo Ferreira, 67 anos

O cardiologista aposentado Carlos Eduardo Ferreira, de 67 anos afirma que as novas tecnologias ajudam o cérebro a funcionar mais.
- "emos que nos preparar para este processo inevitável da memória mais prejudicada, com leitura, alimentação, exercícios físicos e... computadores. As redes sociais por exemplo nos levam a pensar e, toda vez que pensamos, somos criativos.
Carlos, recentemente, criou uma conta no Twitter.
- É uma oportunidade de exteriorizar o que se pensa. Expor e trocar idéias. Todos os dias a gente aprende ou ensina algo a alguém. Essas ferramentas virtuais multiplicam o nosso poder de comunicação. Temos a possibilidade de entrar em contato com o mundo inteiro, completa.

Demanda

Em Belo Horizonte, o Serviço Social do Comércio de Minas Gerais (Sesc Minas), teve que formatar um curso de informática para atender a demanda dos maiores de 65 anos.
- Atualizamos a grade, com redes socais, pesquisas e outros pedidos deles. O curso começou no semestre passado e temos, atualmente, uma lista de espera - conta Érica Freitas, pedagoga e superintendente de educação do Sesc/MG.

fechar