Mensagens Com Amor Menu Search Close Angle Birthday Cake Asterisk Spotify Play PPS Book Download Heart Whatsapp Whatsapp Facebook Twitter Pinterest Instagram YouTube 9 Giga Up

Como fazer seu filho se sentir amado

Crianças precisam se sentir amadas sempre, só assim elas se tornam adultos sem traumas. Plante amor na vida do seu filho e motive-o a ter os valores certos. Ame-o!

1. Desligue o celular

Ao chegar em casa e estar com seus filhos, tente se desconectar do mundo exterior. Muitas vezes, nos dispersamos com textos, fotos, vídeos ou até mesmo conversa e acabamos não dando a devida atenção que as crianças necessitam e querem! Ouça-as e mostre-se interessada no que dizem. Além de contar muito para que se sintam bem, isso faz com que vejam em você uma amiga!

2. Diga que ama

Por mais óbvio que seja o amor que você sente pelos seus filhos, a falta de demonstração de carinho mexe com o emocional dos pequenos.
Por isso, demonstre que você o ama com palavras, abraços, afetos. Não justifique seu amor em contas que você paga, dinheiro que você dá ou mimando de maneira material.
O que eles precisam é do seu carinho.

3. Seja amiga

Ser amiga é extremamente importante para estabelecer uma boa relação entre você e seus filhos. É através dela que se constrói mais confiança, orgulho e até admiração.
Ainda que a relação de mãe e pai tenha que permanecer a mesma, ou seja, sem se perder o respeito, manter uma relação mais próxima e menos severa pode ser um item muito importante no desenvolvimento das crianças e, principalmente, dos adolescentes.

4. Demonstre preocupação

Preocupação em demasia não costuma ser muito agradável, porém o contrário também parece não ser tão legal.
É importante demonstrar que se importa, principalmente na fase da adolescência! Mantendo sempre o bom senso, sem mimar demais nem dar muita atenção para coisas que não tenham a menor relevância. Mas, ao mesmo tempo, dê ouvidos ao que está sendo dito. Preste atenção nos problemas amorosos, nos conflitos emocionais e existenciais. Não trate tudo de maneira insignificante, pois, ao se colocar no lugar deles, você também não ficaria feliz.

5. Contato físico

A ligação entre uma mãe e um filho envolve desde muito cedo o contato físico. Ou seja, se somos formados dentro de nossas mães, com certeza há uma grande ligação nesse aspecto. Assim, após o nascimento e ao longo da vida, essa aproximação deve se manter viva.
Ocorre por vezes um convívio tão intenso de pais e filhos que o contato físico passa a ser algo despercebido. Não permita!
Toque, sinta a pele, ame, faça carinhos, abrace muito! Essa troca de energia sincera faz bem pra alma!

6. Faça o momento de dormir ser especial

As crianças mais novas apreciam dividir esses momentos com seus pais. Através de beijos, da preparação para dormir, do carinho e atenção que os pais oferecem para escovar os dentes, cobri-los e até mesmo pela ligação que fazem com filmes e desenhos.
Conte histórias, faça carinho ou simplesmente demonstre amor à sua maneira.

7. Cozinhe

Nem todos os pais sabem/gostam de cozinhar! Muitos têm o hábito de comer fora de casa ou pagam alguém para que cozinhe para a família. E, justamente por isso, uma das atitudes mais bacanas que podem ser realizadas é a tentativa de cozinhar algo especial.
Ou, então, se você gosta e tem prática na cozinha, surpreender seu filho depois da escola ou do trabalho com algo que seja de seu agrado, ou uma receita nova, com certeza derrete o coração!
Todos nós sabemos que são nos pequenos detalhes que estão as maiores atitudes.

9. Encoraje-o

Mostre sempre que é seu maior fã, que torce por suas vitórias, que acredita no seu potencial e no ser humano que ele se torna a cada dia.
Encoraje-o para encarar seus desafios desde pequeno, não permitindo que desista à toa.
Ensine a criança a ser forte e deixe-a perceber o tamanho do seu orgulho por ela!

10. Brinque com eles

Tenha momentos não somente de carinho, mas também de diversão! Reserve um tempinho para brincar de algum jogo gostoso e fazer algo em família. Entenda que levá-los para passear somente em lugares que você frequenta pode não ser tão agradável quanto a sua companhia em um parque de diversões, por exemplo!

11. Tome providências para ajudá-los

Não seja complacente ao sofrimento ou mágoa do seu filho. Ao decidir ser amiga deles, você estará abrindo uma porta muito maior para que confiem e contem suas conquistas e derrotas. Porém, além de amiga, você é mãe.
Tome atitudes que estiverem ao seu alcance para ajudá-los! Tente resolver problemas na escola, aconselhar da melhor maneira sobre amizades, evitar expor a criança a problemas familiares etc.

12. Guarde todas as lembranças que seus filhos lhe dão

Desde aquele rabisco até uma cartinha de amor, todas essas pequenas lembrancinhas são sempre repletas de carinho e desejo de ver em seus olhos o orgulho que sente por eles.
Jamais demonstre insignificância para algo que fizeram a você. Nem tampouco jogue fora algum desenho que eles tenham lhe dado.

13. Inclua seus filhos em suas decisões

Permita que eles se sintam importantes dentro do seu lar. Não somente como crianças ou adolescentes amados, mas também como pessoas que estão sendo instruídas a tomar decisões, fazer suas escolhas e expor suas opiniões.

14. Não interrompa a criança

Enquanto ela esteja contando algo que aconteceu na escola, uma novidade ou alguma história, nunca interrompa ou mude de assunto.
Preste atenção! Olhe nos olhos, sorria, participe, interaja! Eles se sentem importantes para você.

15. Discipline-os com amor

Não acredite que, nos tempos de agora, bater como castigo será a solução para seus problemas.
Se, mesmo em sua época ou a dos seus pais, vocês permaneciam aprontando, pode ter certeza de que agora não será diferente.
Eduque de maneira mais inteligente e carinhosa. Quando alguém agride, seja física ou verbalmente, tudo o que resulta é medo e intolerância. Porém, quando você explica com carinho e demonstra desapontamento e repúdio àquele tipo de atitude, está construindo uma pessoa melhor que, da próxima vez, possivelmente, lembrará da conversa, do sentimento de não fazer mal nem a si, nem aos outros e recorrer a você, caso haja necessidade.