Mensagens Com Amor Menu Search Close Angle Birthday Cake Asterisk Spotify Play PPS Book Download Heart Share Whatsapp Facebook Twitter Pinterest Instagram YouTube Telegram Copy Up Check

Siga-nos

Contos para o Dia das Bruxas

Uma boa história de terror tem tudo a ver com o Dia das Bruxas. Nesta data, quando bruxas, fantasmas e outros seres sobrenaturais estão à solta, contos de mistério dão o toque especial! Leia nossa seleção de pequenas histórias perfeitas para esta data e tenha um Dia das Bruxas arrepiante!

continue lendo
Compartilhar

Flor, Telefone, Moça

Carlos Drummond de Andrade

“Nenhuma outra flor lhe convinha senão

aquela, miúda, amarrotada, esquecida, que ficara rolando no pó e já não existia mais.”

A literatura brasileira nos brinda com um conto perturbador, daqueles dignos de contar ao redor de uma fogueira, na noite do Dia das Bruxas. Um conto que, como o próprio autor diz, não é um conto mas um caso verdadeiro (será?). Ficção ou não, o caso é que a moça em questão, um dia, distraída, colheu a flor do cemitério. E, a partir dali, sua vida tomaria outra configuração, seus dias repletos por uma ligação telefônica suplicante e, de certa forma, assustadora.

Baixe e leia esse e outros contos aqui

O Corvo

Edgar Allan Poe

“Abro a janela, e de repente

Vejo tumultuosamente

Um nobre corvo entrar,

digno de antigos dias.”



Naquela noite, enquanto estudava e chorava a morte de sua amada Lenora, o homem ouviu um barulho. Pensou que poderia ser alguém batendo na porta, não encontrou nada. Foi para a janela verificar e eis que entra um corvo. Distinto, elegante até, e grave corvo. O homem passa então a dialogar com o corvo, e a cada pergunta feita pelo homem o corvo só lhe respondia “Nunca mais”. De “nunca mais” em “nunca mais”, nunca mais ele sairá daquele quarto. Contado em forma de poesia por Edgar Allan Poe, “O Corvo” atinge a alma pela beleza, sem deixar de causar aquele frio na espinha que só um bom conto de terror é capaz.

Baixe e leia esse conto aqui

Medo e susto

Nem toda história para ser contada no Dia das Bruxas precisa causar medo. Algumas assustam, mas a gente acaba rindo depois. Cora Coralina, no seu conto “Medo”, conta o “causo” do homem que pegando carona num carro que, sabe-se lá o porquê, transportava um caixão vazio. No meio do caminho, começou a chover. O homem pensou que não haveria mal algum abrigar-se no caixão, posto que estava vazio mesmo, e acabou por adormecer. Seguindo a viagem, dois outros caronas subiram, e passaram a conversar. Em dado momento, a chuva ficou mais fina, e nessa hora o homem que estava no caixão acordou, ouviu as vozes dos homens conversando, abriu a tampa do caixão e levantou-se perguntando da chuva. Imagine o susto que os dois passageiros levaram!

Leia mais contos que têm tudo a ver com o Halloween

O pássaro voador

Não só de “João e Maria” são feitas as histórias de crianças que escapam de bruxas. Os próprios Irmãos Grimm contam outra história. Diz a lenda que um caçador andava pela floresta quando ouviu o som de uma criança. Seguindo os sons, chegou ao topo de uma árvore, onde encontrou uma criança e a levou para casa, adotando-a. A criança, um menino, foi chamada Fundevogel, que significa “aquele que foi encontrado pela ave”, foi criada junto com sua filha, Lina, de quem tornou-se muito amigo. A cozinheira da casa, aparentemente uma bruxa disfarçada, começa a juntar água para jogar o menino no tacho de água fervente. Sabendo disso, Lina e Fundevogel fogem e na fuga transformam-se em flores e objetos, sempre juntos, para despistar seus perseguidores. Até que, quando a própria bruxa vai procurá-los, o menino vira um lago, e a menina um pato. No que a bruxa abaixa-se para beber a água do lago, o pato empurra a cabeça dela na água, fazendo com que a bruxa se afogue e os dois possam voltar sãos e salvos para casa.

Quer tomar sustos nesse Dia das Bruxas? Então assista esses filmes!

A árvore florida

Naquela cidade, todos se empolgavam muito com o Dia das Bruxas. Enfeitavam os prédios, as ruas e até as árvores. Tudo ficava coberto de temas e velas. Contudo, havia uma árvore que vivia repleta de flores brancas e nunca era enfeitada. Por causa disso, na noite do dia 31 de outubro, ela sempre ficava sozinha, sem que ninguém ficasse perto dela ou a elogiasse, já que era a mesma de todos os dias. Assim, o Dia das Bruxas era sempre um dia muito triste para a árvore florida. Naquele ano, uma bruxa mudou-se para a cidade, e como tinha o poder de falar com as plantas ouviu a árvore dizendo que detestava o Dia das Bruxas. Já ia amaldiçoá-la, quando a árvore lhe contou os motivos de seu desgosto. A bruxa pensou numa forma de resolver a questão da árvore. Assim, na próxima noite do Dia das Bruxas, uma ventania muito forte atingiu a cidade, e várias flores brancas foram levadas pelo vento para a casa de todos os cidadãos. Assim que a pessoa pegava a flor na mão, a flor transformava-se em uma vassoura voadora que a levava para debaixo da árvore. Não havia forma de limpar a cidade sem ser transportado para a árvore florida. Desde então, a árvore florida é o ponto principal das comemorações da cidade, e suas flores são colhidas com antecedência por quem quer passear de vassoura voadora na noite das bruxas.

No Dia das Bruxas, leia também pavorosos contos de assombro

fechar