Imagens / Animais

Frases de Cachorro

Quem não consegue se apaixonar por qualquer cachorro? Eles são anjos enviados na Terra para nos alegrar e nos emocionar. Escolha a frase ideal e compartilhe!

A História de Sofia

Panvel

Se você se chama Sofia, ou tem alguém querido com esse nome, por favor, não fique chateado comigo, mas a Sofia em questão aqui é uma cachorrinha que mora no pátio lá de casa.
Sofia é uma mistura de alguma coisa com coisa nenhuma. Quando ela chegou, bem pequena, ela parecia uma bolinha de tênis amarelinha assim, felpudinha, e foi trazida pra fazer companhia pra Brigitte.
A Brigitte, uma outra vira-lata que por sua vez, havia sido recolhida a mais tempo da rua. Muito doente, raquítica, a cachorra mais magrinha que eu já vi.
Devo dizer que apesar dos nomes de artistas de cinema nos dois casos, isso só foi coincidência. Mas eu tenho certeza que a Brigitte Bardot dá do seu interesse pelos animais e até fica feliz de ter uma chará como a Brigitte, uma cadelinha que sabe ficar na dela como ninguém, ela se quer late pra não incomodar o dono.
Mas eu contava da Sofia. Cadelinha acostumada a fagos diários, ela, até onde eu sei, é o único cachorro que ronrona feito um gato. Basta dar-lhe uma coçadinha na barriga, pode ser com o pé mesmo que ela não é exigente.
Ultimamente, porém, ela tem andado triste. Muito triste, aliás. É que há alguns meses nasceu a minha filha, e a Sofia, eu confesso, ela foi deixada um pouquinho de lado.
A Brigitte não se importa muito não, ela se acha no lucro. Casinha, ração, água, um ossinho do churrasco e passarinho pra correr atrás. E tudo isso vem com um bônus extra, uma vez que a vida dela esteve por um fio.
Mas a Sofia... Nesse último fim de semana, ela apresentou um olhar cabisbaixo, orelhas no chão, coisa de cortar a alma. Lembrei de um livro que li quando criança, “Coração de Vidro”, de José Mauro de Vasconcelos. Nele os bichos sofriam com a indiferença ou a maldade dos donos. Eu recordo bem esse sofrimento que senti, e também de algo que me intrigou.
“O coração de vidro do título era a respeito dos bichos, e representava como esse coração era frágil, quebrável? Ou era a respeito de nós, humanos, de como podemos ficar impermeáveis a certas emoções?”
Olhei pro lado, no chão, e a minha filha de nove meses se divertia colocando a mão na boca da Sofia, puxando-lhe as orelhas, apertando-lhe o nariz... E a Sofia nem pensava em uma pequena vingança, num arranhãozinho, uma mordidinha, quem sabe. Apenas olhava pra mim. Não era um olhar ressentido, muito menos desafiador, era apenas um olhar de saudade.

Compartilhar

comentários

anterior

Wagner Moura

O talento e versatilidade de um artista brasileiro

próxima

Mais atitudes, menos promessas

Encontre inspiração para realizar seus sonhos e desejos!