Mensagens Com Amor Menu Search Close Angle Birthday Cake Asterisk Spotify Play PPS Book Download Heart Whatsapp Whatsapp Facebook Twitter Pinterest Instagram YouTube 9 Giga Up

Yudi Tamashiro

A carreira de Yudi teve início aos 07 anos de idade no Programa Raul Gil, onde ficou por 3 anos até ser convidado por Silvio Santos para apresentar o Bom Dia&Companhia no SBT. Conheça mais sobre a carreira e a vida deste artista!

Vida de bênçãos

Sobre todas as coisas que foram acontecendo, eu perdi o controle, e Deus começou a cuidar de tudo. O que está acontecendo na minha vida... eu sozinho não teria capacidade, nem inteligência, nem poder para isso. Então, é visível para as outras pessoas. Eu não preciso falar. A minha atitude, o meu trabalho, as coisas que estão acontecendo na minha vida já são prova de que Deus existe e que realmente está comigo.

Silvio Santos

Acho que cada pessoa tem um dom. Se souber aproveitar esse dom da forma certa, consegue crescer, e ninguém segura. O Silvio tem esse feeling de olhar e falar: “Isso funciona, isso não funciona. Isso tem um tempo, e isso é eterno”.

Renovação

Eu fui criado dentro de uma emissora, onde eu tive que aprender de tudo – atuar, cantar, dançar, apresentar. Só que eu estava muito fechado com o público infantil. Eu já tenho o meu público, a molecada da internet, mas eu precisava desse contato com os grandes empresários, com os grandes diretores que o teatro me proporcionou e mostrar que o Yudi não é só PlayStation, e sim um artista desde criança.

O verdadeiro Yudi

Faz algum tempo que já frequento a igreja evangélica. Muitas coisas aconteceram durante todo esse tempo. Muitas pessoas me conhecem como o garoto da TV, o “garoto PlayStation”, mas nunca me conheceram como pessoa: o Cássio Yudi Muniz Tamashiro.

Missão

Me sinto completo. É muito bom dividir este momento e mostrar o caminho, né? Eu, como formador de opinião, tenho que estar mostrando o caminho certo. Mostrando o que Deus fez para mim.

Cristão

Durante muitos anos, tive problemas, era preso a várias coisas do mundo – bebidas, mulheres… Mas chegou um momento da minha vida em que eu precisava mudar. Encontrei a igreja, e para mim foi maravilhoso. Eu tenho vivido momentos especiais, de felicidade verdadeira.

Fora da caixinha

Minha vida realmente estava muito assim, principalmente em balada, em mulherada... enfim, depois que eu saí do “Bom Dia & Cia” eu senti realmente a liberdade assim, eu falei: “Pô, tem um mundão fora do estúdio, tem coisas que eu não aproveitei e preciso aproveitar”.

Fase mais complicada

Você via o que eu passava. É que a televisão nunca mostrou esse outro lado, mas você me via chegando bêbado ao “Bom dia & Cia”. Aí foram aparecendo várias coisas na minha vida. Eu trabalhava desde novo. Eu buscava a felicidade, uma saída para essa confusão da minha cabeça. Buscava em bebida, em balada, em garotas de programa.

Sofrendo calado

Por trás do artista tem um ser humano também. A gente passa por dificuldades, dificuldades grandes, mas que jamais vamos demonstrar, porque um artista de verdade esconde o sofrimento para levar alegria para vocês.

Acusações de batizado por modismo

Foram milhões de mensagens dizendo que eu estava seguindo uma moda. Eu não sei, “mano”. Se for moda, eu quero que ela se espalhe, porque está fazendo muito bem para o meu coração, me completa. Minha família sente a diferença do Yudi andando com Jesus.

Como aconteceu a sua conversão

Eu estava perdido nessa loucura de balada. Um dia eu estava fazendo um show na Vila Olímpia, em um bar. Quando eu cheguei nesse bar, três jovens estavam ali na frente, querendo conversar comigo. Eles me entregaram uma Bíblia. Eu zoava todo mundo que era crente. Eu peguei a Bíblia joguei no carro e me despedi dos moleques. Mas fui a um culto, e começou uma tremedeira. O pastor falou que era preciso parar de viver o passado. Cada palavra era um soco no meu coração. Eu me joguei e pedi a Deus um recomeço na minha carreira.

PlayStation para sempre

Fui participar da seletiva para o campeonato mundial de hip hop. Estavam todos os “gringos” lá, os jurados. Quando entrei, o estádio inteiro gritou “PlayStation”. Naquele momento, eu senti uma coisa meio “‘tô’ aqui para dançar. É o Yudi dançarino, não o 'Yudi PlayStation'”. Depois que terminei minha apresentação ali – e eu passei, fiquei entre os oito melhores –, falei que não tenho como levar como forma negativa, tenho que pegar aquele PlayStation, colocar dentro de mim, transformar em uma energia positiva para que eu possa conquistar mais coisas.

Tinha tudo e não tinha nada

Eu aproveitava bastante, mas hoje vejo que tudo isso é passageiro. Eu procurava minha felicidade em balada, em bebida. No dia seguinte, eu já acordava com dor de cabeça e arrependido de fazer tudo que eu fazia. Eu chorava direto.

Reconhecimento salvou a sua carreira

Várias e várias vezes eu pensei em desistir da minha carreira, da minha vida, ir morar fora. Só que, toda vez que eu saía de casa, sempre vinha um para me falar do “PlayStation”, sempre vinha um falando: “Você faz parte da minha infância, gosto muito de você, obrigado”. E são essas pessoas que nunca me deixaram desistir da minha carreira.