Entretenimento / Novelas

42 melhores novelas da Globo

Atire a primeira pedra quem nunca se emocionou com alguma novela. Nada como relembrar aquelas histórias que marcaram época, não é mesmo? Conheça o top 42 das novelas que conquistaram o público brasileiro.

1. A Moreninha

Otávio Graça Mello (1965)

Baseada no romance de Joaquim Manuel de Macedo, foi a primeira novela global com cenas externas, rodadas na Ilha de Paquetá, no Rio de Janeiro. Carolina (Marília Pêra) uma moça sonhadora fazia par romântico com Augusto (Claúdio Marzo), um estudante de Medicina determinado e galanteador.

Compartilhar

2. Irmãos Coragem

Janete Clair (1970/71)

A novela conta a luta dos irmãos João, Jerônimo e Duda (Tarcísio Meira, Cláudio Cavalcanti e Cláudio Marzo) para vencer a dominação do Coronel Pedro Barros ( Gilberto Martinho ) na zona mineradora de Coroado, interior de Goiás. João encontra um enorme diamante, fato que vai desencadear a trama.

Foi a primeira novela da Globo a atingir, de fato, todo o Brasil. O país ficou viciado pela obra, que durou um ano no ar. É considerada o primeiro marco da liderança nacional que a emissora teria a partir dali.

Compartilhar

3. O Primeiro Amor

Walter Negrão (1972)

O elenco de O Primeiro Amor sofreu um duro golpe no dia 18 de agosto de 1972, restando apenas 28 capítulos do final da novela: Sérgio Cardoso, o protagonista da novela, faleceu vítima de um ataque cardíaco. A morte do ator gerou comoção nacional. Para substituí-lo, foi convocado Leonardo Villar. Sua primeira cena foi ao ar no capítulo 200, com uma singela homenagem a Sérgio Cardoso. A imagem no vídeo foi congelada após o ator deixar um aposento.

Todos os capítulos de O Primeiro Amor se perderam no incêndio da TV Globo do Rio de Janeiro em 1976, restando apenas as chamadas da novela.

Compartilhar

4. Gabriela

Walter George Durst (1975)

Em meio às questões políticas e sociais, como a seca do Nordeste, a simples Gabriela (Sônia Braga) esbanjou sensualidade no papel de protagonista. A adaptação do romance Gabriela, Cravo e Canela, de Jorge Amado teve um remake no ano de 2012, e também foi considerada a melhor produção do ano de 1975, pela APCA.

Compartilhar

5. Selva de Pedra

Janete Clair (1972/73)

O romance entre Simone (Regina Duarte) e Cristiano (Francisco Cuoco), tumultuado pelos perigos da cidade grande: ambição, dinheiro, poder, convenções sociais. Os vilões Miro (Carlos Vereza) e Fernanda (Dina Sfat) são os principais responsáveis pelos infortúnios do jovem casal.

A novela Selva de Pedra atingiu um clímax inédito, tendo 100% de audiência em um de seus capítulos. Em 1986, a Globo produziu um remake da novela.

Compartilhar

6. Escrava Isaura

Gilberto Braga (1976)

Vendida para 80 países, a novela narra a história de Isaura (Lucélia Santos), uma escrava que desperta a paixão do vilão Leôncio (Rubens de Falco).

Compartilhar

7. O Bem-Amado

Dias Gomes (1973)

O primeiro folhetim colorido da TV. Criticava com humor o Brasil da ditadura militar. A história baseava-se em um prefeito capixaba que tinha como plataforma eleitoral de sua cidade a construção de um Cemitério.

Compartilhar

8. Pecado Capital

Janete Clair (1975/76)

Com o objetivo de retratar a ambição, a trama contava a história do motorista de táxi Carlão (Francisco Cuoco), que encontra em seu carro uma mala repleta de milhões, fruto de um assalto a banco. Em dúvida sobre entregar a mala à polícia ou se apossar do dinheiro, Carlão decide ficar com a fortuna. O motivo: ele quer reconquistar a ex-noiva, Lucinha ( Betty Faria ), agora envolvida com o empresário Salviano Lisboa (Lima Duarte). A ascensão de Lucinha acompanha a decadência de Carlão, que termina morto, vítima da própria ambição.

Compartilhar

9. Saramandaia

Dias Gomes (1976)

Em Bole-Bole, os moradores se dividem entre os que querem mudar o nome da cidade e os que preferem mantê-lo. A trama também contou com personagens inulsitados, como o João Gibão (Juca de Oliveira), que esconde um par de asas e Dona Redonda (Wilza Carla) que come tanto que acaba explodindo, além de Marcina (Sônia Braga), Encolheu (Wellington Botelho), entre outros. O remake foi exibido no horário das 23h em 2013.

Compartilhar

10. O Astro

Janete Clair (1977/78)

Uma febre que dominou o país. O Astro é sobre a escalada social de Herculano Quintanilha (Francisco Cuoco), golpista que se disfarça de vidente em uma churrascaria do subúrbio carioca. Ele se aproxima da milionária família Hayalla, e penetra no poderoso grupo empresarial do clã. A morte do patriarca Salomão (Dionísio Azevedo) desencadeia a trama.
O visual de Herculano como vidente, com o turbante azul turquesa e a maquiagem oriental, marcou tanto que foi resgatado no recente remake da obra , em 2011.

Compartilhar

11. Dancin Days

Gilberto Braga (1978/79)

A novela lançou inúmeras modas. Meias de lúrex com sandálias de salto, roupas coloridas e brilhantes, penteados, músicas, perfumes, brinquedos. Considerada uma das tramas mais cultuadas da história, Dancin Days conta a história de Júlia Matos (Sônia Braga) que após sair da prisão depois de 11 anos, tenta conquistar o amor da filha adolescente, Marisa (Glória Pires). Mas a irmã de Júlia, a socialite Yolanda Pratini (Joana Fomm), que criou a sobrinha, faz de tudo para impedir a aproximação de mãe e filha.

Compartilhar

12. Guerra dos Sexos

Silvio de Abreu e Carlos Lombardi (1983/84)

A trama girava em torno da rivalidade entre homens e mulheres. Quem não se lembra da cena antológica da guerra de tortas com Paulo Autran e Fernanda Montenegro? Ou para quem viu o remake em 2012/13 com Tony Ramos e Irene Ravache?

Compartilhar

13. Roque Santeiro

Dias Gomes e Aguinaldo Silva (1985/86)

A novela havia sido proibida em 1975, após ter 30 capítulos gravados. O motivo: Dias Gomes tentou adaptar para a TV sua peça teatral "O Berço do Herói", proibida pela censura em 1965. A censura descobriu o plano e vetou a novela. Em 1985, dez anos depois de ter sido engavetada, a obra foi finalmente realizada. "Roque Santeiro" estreou em junho e simbolizou a fase da Nova República, com o fim da ditadura militar no Brasil - em março, José Sarney tomara posse como presidente, encerrando o ciclo de 21 anos de militares no poder.

A trama se define ao redor de Roque Santeiro ( José Wilker ), que retorna à cidadezinha de Asa Branca, 17 anos após ser dado como morto. Roque é considerado santo milagroso na região, e sua volta ameaça os poderosos da cidade.

Compartilhar

14. Vale Tudo

Gilberto Braga, Aguinaldo Silva e Leonor Bassères (1988/89)

Raquel e Fátima simbolizavam dois extremos, um que ia pelo caminho da honestidade e o outro daqueles que preferiam levar vantagem em tudo. A trama contava a história sobre a honesta Raquel (Regina Duarte) que vivia um duelo com a filha, a ambiciosa e desonesta Fátima (Glória Pires). Fátima acaba vendendo a casa da família e foge para o Rio de Janeiro. Raquel vai atrás dela, passa a vender sanduíches na praia e torna-se dona de uma rede de restaurantes, enquanto Fátima dá o golpe do baú.

O país se envolveu nas discussões propostas pela novela. Praticamente todos os personagens tornaram-se inesquecíveis, como a alcoólatra Heleninha (Renata Sorrah) e a produtora de modas Solange Duprat (Lídia Brondi). Além da monstruosa vilã Odete Roitman (Beatriz Segall).

Compartilhar

15. Tieta

Aguinaldo Silva (1989/90)

A novela de maior audiência da história da TV Globo. Teve vários bordões que caíram na boca do povo brasileiro como Mistério!, U-U! e Nos trinques!. Tieta (Betty Faria) volta à sua cidade natal, anos após ter sido expulsa pelo pai. Agora Tieta é rica, mas o que ninguém sabe é a origem de seu dinheiro: ela enriqueceu comandando um prostíbulo. A volta de Tieta tumultua a região, interferindo na vida de todos, principalmente de sua interesseira irmã, Perpétua (Joana Fomm).

Compartilhar

16. O Salvador da Pátria

Lauro César Muniz (1989)

O boia fria Sassá Mutema (Lima Duarte) é preso, mas prova sua inocência com ajuda da professora Clotilde (Maitê Proença). Torna-se popular e vira prefeito de Tangará.

Compartilhar

17. Rainha da Sucata

Silvio de Abreu e Alcides Nogueira (1990)

A história contrapões os novos-ricos, como Maria do Carmo (Regina Duarte), e a elite decadente representa por Laurinha Figueirôa (Glória Menezes).

Compartilhar

18. Barriga de Aluguel

Gloria Perez (1990)

Com um tema incomum para a época, a inseminção artificial, a novela contava a história de Ana (Cássia Kis Magro) que contrata Clara (Cláudia Abreu) para ser sua barriga de aluguel. Porém, depois que a criança nasce, ambas lutam para ficar com ela.

Compartilhar

19. Vamp

Antônio Calmon (1991/92)

Gênero de comédia. A novela conta a história de um viúvo com seis filhos, Jonas (Reginaldo Faria) se casa com Carmem Maura (Joana Foom), que também é viúva e tem seis filhos. Os dois formam uma família diferente, que se vê às voltas com problemas dos jovens e com uma roqueira perseguida por vampiros.

Compartilhar

20. Mulheres de Areia

Ivani Ribeiro (1993)

A história das inesquecíveis e gêmeas rivais Ruth e Raquel, fez com que Glória Pires brilhasse. Além de Marcos Frota que conquistou o público interpretando o personagem apaixonado por Ruth Tonho da Lua.

Compartilhar

21. Renascer

Benedito Ruy Barbosa (1993)

Primeira vez de Benedito Ruy Barbosa no horário nobre da Globo, conta a saga de José Inocêncio (Antônio Fagundes), que ergue um império do cacau em Ilhéus, Bahia. Apaixonado pela esposa Maria Santa (Patrícia França), tem quatro filhos com ela. Mas a mulher morre no parto do último, fazendo com que o pai rejeite o caçula, João Pedro (Marcos Palmeira). No futuro, pai e filho disputarão a mesma mulher.

Compartilhar

22. A Viagem

Ivani Ribeiro (1994)

A trama fala sobre vida após a morte segundo a doutrina espírita. O casal principal da novela foram protagonizados pela Christiane Torloni e Antônio Fagundes.

Compartilhar

23. História de Amor

Manoel Carlos (1995)

Folhetim leve e charmoso, apresentou temas como câncer de mama e gravidez precoce. Os esportes e deficientes físicos também foram abordados a partir do personagem de Assunção (Nuno Leal Maia), que após ficar paraplégico consegue se recuperar totalmente. História de Amor foi vendida para cerca de 30 países, entre os quais Angola, Bulgária, Ilhas Maurício, Jordânia, Malásia, Marrocos, Martinica, Panamá, Polônia, Portugal, República Dominicana, República Tcheca, Rússia, Suíça, Turquia, Ucrânia, Uruguai e Venezuela.

Compartilhar

24. A Próxima Vítima

Silvio de Abreu (1995)

Em plena metade dos anos 90, Sílvio de Abreu criou uma novela onde, pela primeira vez, o suspense policial era a espinha dorsal, e todas as tramas estavam subordinadas aos crimes. O público tinha de adivinhar quem matava, e também quem seria o próximo a morrer.

A trama contava a história de um serial killer, que eliminava diversas pessoas. Antes de morrer, cada vítima recebia uma lista com o horóscopo chinês. Em meio aos crimes, acontecia a decadência da família Ferreto, e o triângulo amoroso entre Juca (Tony Ramos), Ana (Susana Vieira) e Marcelo (José Wilker). Na reta final, a novela conseguiu virar assunto nacional, com o público aguardando a revelação do assassino.

Compartilhar

25. O Rei do Gado

Benedito Ruy Barbosa (1996)

Novela de grande sucesso, é mostrada a luta pela posse de terra. O Rei do Gado mostrou a realidade do Brasil rural e traçou forte paralelo com a realidade do país, principalmente na questão dos sem-terra. A trama recebeu o Certificado de Honra ao Mérito no Festival Internacional de Cinema de São Francisco, concorrendo com 1.525 produções de 62 países.

Compartilhar

26. Por Amor

Manoel Carlos (1997)

Helena (Regina Duarte) troca seu filho recém-nascido com o bebê da filha, Maria Eduarda (Gabriela Duarte) que morreu ao nascer. Tudo para impedir que a jovem sofra, fazendo com que seu marido Atílio (Antônio Fagundes) não se conforme.

Compartilhar

27. Torre de Babel

Silvio de Abreu (1998)

José Clementino (Tony Ramos) passa 20 anos preso e quer se vingar de quem testemunhou contra ele. Na trama acontece a morte de duas mulheres homossexuais, pois o público não aceitava esse amor.

Compartilhar

28. Terra Nostra

Benedito Ruy Barbosa (1999)

A história se trata sobre a imigração da sociedade brasileira. Giuliana (Ana Paula Arósio) e Matteo (Thiago Lacerda) se apaixonam ainda no navio que os traz da Itália, mas são separados no desembarque.

Compartilhar

29. O Cravo e a Rosa

Walcyr Carrasco (2000)

Adaptação de A Megera Domada de Shakespeare, retratava o amor e ódio de Catarina (Adriana Esteves), uma jovem feminista dos anos 20, e Petruchio (Du Moscovis) um caipirão louco por ela.

Compartilhar

30. Laços de Família

Manoel Carlos (2000/01)

Helena (Vera Fischer) faz de tudo para felicidade da filha, Camila (Carolina Dieckmann), que tem leucemia, desistindo até do amor de Edu (Reynaldo Gianecchini).

Compartilhar

31. Chocolate com Pimenta

Walcyr Carrasco (2003)

Inspirada na opereta A viúva alegre, de Franz Lehár, e também na peça A visita da velha senhora, de Durrenmatt. A novela foi duas vezes reapresentada. A trama se passa em 1922, em que a jovem Ana Francisca (Mariana Ximenes), que vai morar em Ventura com parte de sua família que ela não conhecia. Lá ela conhece Danilo (Murilo Benício) e os dois acabam se apaixonando.

Compartilhar

32. O Clone

Gloria Perez (2001)

Um dos maiores sucessos internacionais da Rede Globo. O tema abordado foi sobre clonagem humana. O romance ficou por conta da mulçulmana Jade (Giovanna Antonelli) e de Lucas (Murilo Benício) que também vive o irmão gêmeo que morre, e seu clone. A novela rendeu a autora inúmeros prêmios no Brasil e no exterior, como o Prêmio INTE (o mais importante da televisão latina) de melhor autor e, prêmios concedidos pelo DEA e pelo do FBI, em razão da campanha pelos dependentes químicos.

Compartilhar

33. Senhora do Destino

Aguinaldo Silva (2004)

A trama conta o embate de Maria do Carmo (Suzana Vieira) com uma das piores vilãs da TV, Nazaré Tedesco (Renata Sorrah).

Compartilhar

34. Alma Gêmea

Walcyr Carrasco (2005)

A história da busca de dois seres apaixonados, um homem e uma mulher, separados pela tragédia, pelo tempo e pelas diferenças sociais até o eterno reencontro. Dividida em duas fases, começa na década de 20 e depois é ambientada nos anos 40. A novela é cercada de misticismo e espiritismo. E teve como protagonistas, o casal Serena (Priscila Fantin), Rafael (Du Moscovis) e a vilã Cristina (Flávia Alessandra).

Compartilhar

35. Páginas da Vida

Manoel Carlos (2006)

A novela retratava todo o preconceito, a adoção e a relação da família com os portadores de síndrome de Down.

Compartilhar

36. A Favorita

João Emanuel Carneiro (2008)

Muitos recordam dessa novela por causa da inesquecível vilã Flora (Patricia Pillar), considerada uma das mais frias da televisão ao lado de Donatella (Claúdia Raia).

Compartilhar

37. Viver a Vida

Manoel Carlos (2009)

A modelo mimada Luciana (Alinne Moraes) acaba sofrendo um acidente de carro, no qual a deixa paraplégica e faz com que ela mude todo o seu jeito de ser. No desenrolar da trama ela se apaixona pelo médico Miguel (Mateus Solano).

Compartilhar

38. Avenida Brasil

João Emanuel Carneiro (2012)

A inesquecível sede de vingança e ódio visceral permeou durante toda a trama entre Nina (Débora Falabella) e a querida vilã Carminha (Adriana Esteves). Além disto, a novela demonstrou o subúrbio de uma forma diferente e ainda faz sucesso pelo mundo.

Compartilhar

39. Ti Ti Ti

Maria Adelaide Amaral (2010)

A autora juntou em um remake duas grandes novelas de sucesso a original Ti Ti Ti e Plumas e Paetês, ambas de autoria de Cassiano Gabus Mendes. A novela está na lista das sete mais assistidas nos últimos anos.

A trama apresenta a guerra entre os costureiros Jacques Leclair (Alexandre Borges) e Victor Valentim (Murilo Benício).

Compartilhar

40. Amor à Vida

Walcyr Carrasco (2013)

O querido vilão homossexual Félix (Mateus Solano) que no começo da trama só queria a herança disputada com a filha preferida Paloma (Paolla Oliveira), se redime e se apaixona por Niko (Thiago Fragoso). Rola, então, o primeiro beijo gay masculino da TV.

Compartilhar

41. Jóia Rara

Thelma Guedes e Duca Rachid (2013)

Em 2014, a novela ganhou um dos principais prêmios de televisão, o Emmy Internacional, como a melhor novela do ano. A trama se passa nos anos 1930/40 e conta a história de Pérola (Mel Maia), uma criança com poderes especiais, filha dos personagens Franz Hauser (Bruno Gabliasso) e Amélia Fonseca (Bianca Bin).

Compartilhar

42. Império

Aguinaldo Silva (2014)

Jovem e desempregado, José Alfredo muda-se para a casa do irmão e vive uma paixão proibida por sua cunhada, Eliane. Ele foge sem rumo e conhece o Monte Roraima, onde encontra o garimpo que muda o curso de sua vida. O eterno Comendador junto a Maria Marta constroem seu Império. A trama é cheia de disputa pela herança e revira voltas. Mesmo com uma audiência não tão boa, a novela fez sucesso na internet.

Compartilhar

comentários

anterior

Não me importo em dizer adeus

Aceito o fim e torço pra que seja muito feliz

próxima

Não tenha receios

Deixe o medo de lado e vista a coragem para viver bem!