Mensagens Com Amor Menu Search Close Angle Birthday Cake Asterisk Spotify Play PPS Book Download Heart Whatsapp Whatsapp Facebook Twitter Pinterest Instagram YouTube 9 Giga Up

Mensagens sobre feminicídio

Se você acompanha as notícias, com certeza deve ter ouvido falar muito sobre o termo "feminicídio". Mas será que você sabe da verdadeira importância sobre a conscientização desse problema? Confira mensagens sobre a violência contra mulheres e compartilhe essa informação com outras pessoas!

Não é brincadeira

Não é brincadeira, e muito menos “mimimi”. O feminicídio é real e ele acontece não só no Brasil como no mundo inteiro. Já passou da hora de tomarmos uma atitude, não podemos fechar os olhos para esse assunto e tentar ignorar só porque ele é “delicado demais”. Está na hora de tomarmos uma iniciativa, de lutarmos contra isso, de nos unirmos, não só as mulheres mas toda a sociedade. E não podemos deixar que esses casos passem despercebidos ou impunes.

Não foi por amor

Uma das desculpas mais comuns nos crimes de feminicídio é aquela de os homens falando que fizeram aquilo por amor, por ciúme, por um momento de descontrole e que se arrependem. Não foi por amor. Ninguém mata por amor. Não foi por ciúme. Foi por possessividade. Foi porque os homens estão acostumados a achar que as mulheres são propriedade deles, e quando isso não acontece eles simplesmente não aceitam. Por isso, nós temos que educar nossos homens, desde muito pequenos, conscientizá-los de que ninguém é propriedade de ninguém, e ninguém é obrigado ou obrigada a ficar com ninguém.

O que é o feminicídio

O feminicídio é o crime de assassinato cometido exclusivamente contra mulheres. E só pelo fato de elas serem mulheres. É o marido que matou por ciúme. É o colega de trabalho que matou porque ela não quis ter uma relação sexual. É o desconhecido do outro lado da rua que matou simplesmente porque achou que ela tava com uma saia curta demais e não era digna de respeito. É o ataque à mulher simplesmente pelo fato de ela ter nascido mulher.

Leia também: Dia Internacional da Não Violência contra as Mulheres

O feminicídio está ao lado

Quando a gente se depara com notícias de feminicídio, na maioria das vezes, o assassino – que em grande parte dos casos é marido, namorado, ficante ou amante – fala que tá arrependido, e todas as pessoas dizem que nunca imaginariam esse homem fazendo algo assim. Por esse motivo, o feminicídio está sempre ao nosso lado. É importante olharmos para as relações das pessoas, reconhecer sinais de relacionamentos abusivos e sempre oferecer ajuda quando alguma mulher aparentar situação de risco.

Por que o feminicídio existe

O feminicídio existe pelo simples fato de os homens não aceitarem que as mulheres sejam livres, façam suas próprias escolhas, sejam donas da própria vida e não dependam deles para nada. O feminicídio existe porque em vez de educar os nossos homens a pensarem diferente a nossa sociedade continua reprimindo o elo mais fraco. E acabar com o feminicídio faz parte de cada um, nas conversas de bares com amigos, dentro de casa com a família, nos ensinamentos aos filhos pequenos e em cada mínimo ato nosso no dia a dia.

É sobre saúde pública

Mais do que sobre uma sociedade igualitária, mais do que sobre diversidade. É sobre tudo isso também. Mas também é sobre saúde pública. O feminicídio vem afetando cada vez mais a sociedade. São milhares de mulheres precisando de assistência médica (caso consigam sobreviver). São milhares de mulheres em situação de risco precisando de ajuda. O feminicídio ataca diretamente as mulheres, mas afeta a sociedade inteira.

Cada um tem sua parte

Tanto a gente ouve falar sobre o feminicídio e tão pouco a gente faz para impedir que ele exista. Essa mudança depende um pouco de cada um de nós. É não rir de piada machista. É alertar e conscientizar quando vemos alguém fazendo. É questionar comentários e posicionamentos machistas. É não aceitar que alguém aja dessa forma perto de você – e nem longe. Cada um tem a sua parte nesta luta, pode começar aos poucos, mas no final

faz toda a diferença.

Como ele começa

O feminicídio começa com uma piadinha “inofensiva”. Depois ele vira um comentário desnecessário. Aí, ele vira um pensamento ofensivo. E um comportamento opressivo. Ele vira um dedo apontando na cara e um olhar torto de censura e julgamento. Ele vira um xingamento, uma ofensa, uma pressão psicológica. Então ele parte para a agressão física, verbal, moral e mental. A agressão física vai avançando, cada vez mais. E por fim ele vira o feminicídio. Portanto, cada palavra, cada ato, cada comentário e cada risada diante de “piadas” contribui para o resultado final dessa linha.

Como identificar um relacionamento abusivo

Quantas por dia

Se me disserem que o feminicídio não existe, eu mostro os dados. Se me perguntarem quantas morrem por dia, eu vou dizer uma, não por dia, mas sim a cada duas horas. Se me afirmarem que o Brasil não é um país violento e muito menos preconceituoso, eu vou lembrar que ele é o quinto país que mais mata mulheres. Afinal, contra fatos não há argumentos. E quantas mais por dia o Brasil vai precisar matar para vocês entenderem de uma vez por todas que isso é real?

Breve resumo

Um breve resumo para quem ainda está na dúvida do que é o feminicídio: é o ódio ao gênero feminino em sua maior fase, isto é, o crime de assassinato cometido contra mulheres apenas pelo fato de elas serem mulheres. E na maioria dos casos ele é cometido com muita violência. E no Brasil os dados só crescem.

Uma forma de enxergar

Não é porque o assunto está mais em pauta de uns tempos pra cá que ele é recente. O feminicídio já existe há muito tempo. Nomeá-lo foi só uma forma de trazê-lo para os assuntos como um tópico, e não apenas como um pensamento. Foi cravar a estaca dizendo que ele existe, sim, e que ele é um problema real. Nomear o feminicídio é dar visibilidade a um crime que já vinha sendo cometido muito antes de a gente querer enxergar.

Feminicídio mata. Feminicídio dói

O feminicídio não só mata suas vítimas, ele mata um pouquinho de todas nós, a cada notícia que lemos, a cada reportagem que vemos, a cada caso que descobrimos. O feminicídio dói, nas nossas entranhas, por sabermos que estamos em perigo constante simplesmente pelo fato de termos nascido dentro desse gênero. O feminicídio não é um problema só da Maria que morreu. É um problema meu, seu, dos nossos amigos, familiares, conhecidos. É um problema da sociedade.

Tiraram nosso principal direito

Para ser mulher, é preciso ser forte. Nossa vida está ameaçada a todo momento. A cada relacionamento novo, é um medo diferente. A cada transporte público, é um receio novo. A cada ida e volta ao trabalho, faculdade, colégio, festa, bar ou o que quer que seja, é uma nova aflição. Nos tiraram o direito de ir e vir quando começaram a nos matar. E parece que nunca mais vamos conseguir isso de volta.

Eduque seu menino

Você pode fazer sua parte, sim, para combater o feminicídio. Eduque seu menino. Seja ele seu filho, seu sobrinho, seu afilhado, seu irmão, seu primo, seu pai, seu avô ou seu amigo. Nunca é tarde para conscientizar as pessoas. Eduque sobre respeito, sobre gênero, sobre diversidade e sobre a importância de sempre respeitar o lugar e a decisão do próximo. Quem sabe com meninos mais educados a gente não consegue deixar as mulheres mais seguras?

10 frases machistas que os homens deveriam parar de usar

Tente evitar

Os sinais do feminicídio começam lá nos primeiros indícios do relacionamento abusivo. Quando ele começa a controlar sua roupa e seus amigos. Ou quando ele te coloca pra baixo e faz você se sentir culpada. De lá pro feminicídio tudo acontece tão rápido que não dá nem pra perceber. Então não deixe um mínimo sinal de abuso passar. Denuncie. E se você conhece alguém que está passando por isso e não tem coragem ou não consegue enxergar denuncie também. Todos nós temos o dever de cuidar das nossas mulheres.