Mensagens Com Amor Menu Search Close Angle Birthday Cake Asterisk Spotify Play PPS Book Download Heart Whatsapp Whatsapp Facebook Twitter Pinterest Instagram YouTube 9 Giga Up
William Bonner

Frases de grandes repórteres brasileiros

Você já parou para pensar em como é a vida dos grandes repórteres? Além de nos darem notícias importantes, eles precisam entrar em locais que nem sempre são seguros, vivem sob a pressão das redações e ainda assim exercem sua profissão com excelência, servindo até mesmo de inspiração para muitos. Por esses – e infinitos outros – motivos, nós precisamos celebrar os jornalistas e dar valor àqueles que exercem esse trabalho. Por isso, trouxemos aqui frases de grandes repórteres brasileiros, para que além de conhecê-los melhor, você também possa se inspirar com as sábias palavras ditas por eles. Prossiga a leitura e apaixone-se por esses profissionais fantásticos do jornalismo brasileiro!

Vida de repórter

A vida do repórter é altamente romantizada, pouco se fala sobre as suas dificuldades e sobre a pressão. Parte da culpa é deles próprios, que, devido à paixão pela profissão e por informar, fazem parecer até que a vida é fácil. Aqui temos as frases marcantes, engraçadas e famosas de diversos repórteres e ex-repórteres que foram e são

tão importantes para que as notícias cheguem até nós.

Celebre o Dia do Jornalista: conheça mais sobre a data aqui!

A noite de Natal

Rachel Sheherazade

Rachel Sheherazade

“Sabe quem vai faltar na festa de Natal? O aniversariante do dia! Como na noite do seu nascimento, ninguém lhe abriu as portas e Jesus não tem onde repousar. Não há espaço para ele nas casas dos hipócritas de ceias fartas e corações vazios. No teatro do Natal, entre simpáticos papais noéis, pinheiros reluzentes e embrulhos de presentes, Cristo passa até despercebido. Como se o “bom velhinho” fosse fato e o bom Deus é que fosse lenda![...]”

Rachel Sheherazade, âncora do telejornal SBT Brasil, deu o célebre discurso na noite do dia 24/12/2013, véspera de Natal.

Com o tempo tudo se acerta

Monica Iozzi

“Eu trabalhava como atriz e agora trabalho como repórter. Fui pra Brasília porque eu queria ir pra Brasília, porque eu gosto e me interesso muito por política. Com esse aprendizado, tudo novo, você fica sem saber o que fazer, pra onde olhar. Mas agora está tudo se acertando.”

Monica Iozzi, em 2010, quando integrou o finado programa da Band “CQC”, cobrindo Brasília no ano das eleições presidenciais.

Impunidade que indigna

Ricardo Boechat

Ricardo Boechat

“A impunidade é o que rege, é o que comanda a orquestra das tragédias nacionais.”

Ricardo Boechat comenta sua indignação com a tragédia de Mariana, na Rádio Bandnews, no dia 11 de fevereiro de 2019 – seu último dia de vida.

Copas inesquecíveis

William Bonner

“Lembrança de Copa eu tenho de todas na vida. Em 1978, na Argentina, eu tive a pior cãibra da minha vida vendo um jogo da Argentina num domingo à noite. A copa de 2002 foi aquela em que eu torci sozinho na cama. Três filhos pequenos dormindo, minha mulher viajando cobrindo Copa do Mundo e eu tinha que torcer em silêncio.”

William Bonner, em 2018, comentando as Copas inesquecíveis de sua vida a convite do GloboNews Internacional.

Nenhum repórter é uma máquina

Glória Maria

Glória Maria

“Dá para imaginar o que é enfrentar um desafio de saúde deste tamanho! E além de tudo perdi minha mãe duas semanas atrás. Então antes de voltar ao trabalho achei melhor ficar mais um pouco em casa cuidando das minhas filhas. Apesar de ter feito inúmeras reportagens de aventuras e desafios NÃO sou uma máquina.”

Legenda de foto postada no Instagram, em fevereiro de 2020, em que Glória Maria justifica o fato de ter adiado seu retorno à Globo após a cirurgia a que foi submetida para a retirada de tumor no cérebro.

Mamãe coruja

Sandra Annenberg

“Ela é uma pessoa que se entrega no que gosta, é determinada, estuda, vai atrás, batalha. Tenho uma admiração enorme!”

A jornalista e repórter Sandra Annenberg em brincadeira nos bastidores do programa “Domingão do Faustão”, em fevereiro de 2020, falando sobre sua filha Elisa Paglia,

de 16 anos, que almeja ser atriz um dia.

Melhor sem nós?

Eliane Brum

Eliane Brum

“Ter estado num lugar não habitado por humanos e ver como tudo e todos vivem melhor sem nós me marcou. Os humanos, e é fundamental sublinhar isso, não são um genérico. Quando me refiro a ‘nós’, me refiro ao que chamamos de civilização e especialmente ao Ocidente.”

Relato do diário de bordo da repórter Eliane Brum a bordo de um navio do Greenpeace que foi da Amazônia rumo à Antártida em janeiro de 2020, publicado no “El País”.

O jornalista fala a sua verdade

Claudia Croitor

“Ah, o Emmy. Essa premiação que a gente nem precisa ver porque já sabe que vão premiar tudo de ‘Game of Thrones’ para se despedir dessa série que uma vez já foi boa, lá atrás (e terminou daquele jeito uó).”

A jornalista e editora executiva do G1 Claudia Croitor comenta sobre o Emmy em julho de 2017, no seu blog, no Portal G1, sobre séries e similares.

Quando as marcas da história ficam

José Hamilton Ribeiro

José Hamilton Ribeiro

“É difícil esquecer, foi pessoalmente muito traumático. Além de tudo, há um interesse cíclico na Guerra do Vietnã, vira e mexe volta à tona. Foi a guerra quente da guerra fria, que marcou a até então única derrota da potência militar que são os Estados Unidos. Para os jornalistas era um prato cheio. A gente brincava que era o lugar onde havia mais manchetes por metro quadrado no mundo.”

José Hamilton Ribeiro, o repórter que perdeu uma parte da perna enquanto cobria a Guerra do Vietnã, em entrevista ao Portal dos Jornalistas, em 2018, sobre a Guerra

do Vietnã e o seu acidente.

Quando transmitir a notícia possui consequências

Cristiana Lôbo

“Até aqui, muitas queixas de pessoas do lado dos manifestantes; agora aos apoiadores do governo também reclamam.”

Cristiana Lôbo. em sua conta do Twitter, no dia 16/8/2015, desabafando sobre ter sido alvo de ofensas durante a entrada ao vivo de um repórter na Avenida Paulista.

Engano esclarecido

Pedro Bial

“Eu não estava em Berlim na noite da espetacular queda do Muro. Não era eu, juro. Adoraria ter estado lá naquela noite, mas eu não estava. Tenho testemunha. Mais do que isso, tenho provas.”

Pedro Bial, no episódio 500 de seu programa “Conversa com Bial”, em novembro de 2019. O repórter esclareceu a lenda de que cobriu a queda do muro de Berlim enquanto entrevistava Silio Boccanera – o correspondente que de fato cobriu a queda do Muro.

Conheça crônicas de Pedro Bial e impressione-se com sua sabedoria

Um homem que escreveu a história

Elio Gaspari

Elio Gaspari

“Lula não tinha dono, raízes, muito menos conexões com ninguém, com nada além da peãozada de São Bernardo.”

Elio Gaspari sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no fim da ditadura, em seu livro “A Ditadura Acabada” (Intrínseca, 2016).

Homem da cidade e do campo

Sérgio Chapelin

“É doce e inspiradora a vida no campo [...] e nada foi tão impactante quanto a sensação de estar acima das nuvens.”

Sérgio Chapelin sobre a Serra da Mantiqueira, no programa “Globo Repórter”, exibido em 17 de junho de 2016. O repórter possui um pequeno sítio no local, onde cria seus sete cachorros.

Somos todos representantes

José Luiz Datena

“Pelo menos uma coisa me deixa feliz, me deixa profundamente feliz. O que eu falo aqui as pessoas repetem na rua, um sinal de que quem interessa está me ouvindo. Porque não é político que vai me ouvir. E essas pessoas que representam a sociedade têm que fazer o que elas tão falando que vão fazer mesmo. Tem que pressionar o político que você votou para que ele faça alguma coisa.”

Datena durante o programa “Brasil Urgente”, em 2013, sobre a necessidade de o povo pressionar os políticos a fim de que sejam elaborados projetos de leis úteis aos interesses da maioria da sociedade.

Conheça mais sobre José Luiz Datena, o marcante jornalista brasileiro

Transparência “versus” privacidade

Glenn Greenwald

Glenn Greenwald

“Transparência é para aqueles que exercem funções públicas e exercem poder público. Privacidade é para todos.”

Glenn Greenwald em seu livro “No Place to Hide” (Penguin Books, 2015), falando sobre a transparência necessária aos que compõem a máquina pública.

Porta-voz de pessoas

Alexandre Garcia

“Quando as pessoas me falam que eu sou porta-voz delas, o 1 milhão e tantos que me seguem no Twitter ou os mais de 200 mil que me seguem no YouTube, que eu recém comecei. Eu quero ser porta-voz das pessoas, então eu não sou porta-voz nem

de Bolsonaro, nem de governo, nem de oposição, nem de coisa nenhuma.”

Alexandre Garcia, em entrevista ao programa “The Noite”, no dia 22 de abril de

2019, quando perguntado se se considerava “bolsonarista”.