Mensagens Com Amor Menu Search Close Angle Birthday Cake Asterisk Spotify Play PPS Book Download Heart Share Whatsapp Facebook Twitter Pinterest Instagram YouTube Telegram Copy Up Check

Siga-nos

Dalton Vigh

Dalton Vigh conquistou grandes papéis em novelas, séries e filmes nacionais. Além disso, também atua como apresentador. Quer conhecer mais sobre o ator? Confira suas frases!

10/07/1964
continue lendo
Compartilhar

Liberdade, liberdade!

Dalton Vigh

Foi inesperado porque eu tinha acabado de fazer I Love Paraisópolis. Estava saindo de férias. Aliás, [a proposta veio] um dia antes da gente pegar o avião. Foi uma surpresa muito bem-vinda, não só pelo personagem que depois eu vim a descobrir, mas pelo fato do Mario Teixeira ter escrito o personagem e ter sugerido que eu fizesse. Nós, atores, sempre nos sentimos lisonjeados quando um autor confia no nosso trabalho e faz questão que seja você a interpretá-lo. Saí de férias já pensando no personagem, já tentando elaborar e compô-lo na cabeça, tentando imaginar como seria, foi muito bom. O Raposo nos acompanhou para Nova York, antes mesmo dele existir.

Físico

Dalton Vigh

Com a novela, foi necessário correr atrás de um preparo físico bacana. Afinal, o Raposo monta, faz tiro, esgrima. Comecei a ter uma constância na academia porque era importante pra construção da personagem. No entanto, confesso que agora não estou tão disciplinado como no começo.

Personagem

Dalton Vigh

Como é uma novela de época, é mais trabalhoso. Não só por conta de figurinos e adereços que temos que aprender a “pilotar”, pois podem limitar a movimentação, mas também com a prosódia e caracterização. É sempre estimulante fazer um personagem que requer uma composição mais elaborada. Quanto maior o desafio, maior a recompensa. A preparação foi árdua, intensa, exaustiva, mas foi fundamental para fazer este personagem. A preparação física que tivemos – com equitação, tiro, aula de esgrima e tudo mais –, nos ajudou entender como eles eram, como era ser um homem dessa época. foi bem puxado: um mês de trabalho diário somado às leituras dos capítulos e palestras.

Mudanças

Dalton Vigh

Pelos personagens, eu fico de barba ou sem, mudo o cabelo... Tudo o que ajuda a compor, incluindo o visual, é bem-vindo e faço de bom grado e sem o menor incômodo. Agora, no dia a dia e quando não estou à serviço de algum personagem, tiro a barba.

Trabalhos

Dalton Vigh

Já fiz nove filmes, mas tenho vontade de fazer mais e mais, sim. Estou com ideias de obras que pretendo produzir no cinema e no teatro, mas ainda é precipitado antecipar novidades.

Papel dos sonhos

Dalton Vigh

Com o Raposo, eu realizei um sonho de infância, porque eu sou de uma época que as brincadeiras eram de polícia e ladrão. A gente brincava muito na rua. Brincadeira de moleque era volta e meia baseada em filmes de ação, desenhos, super-heróis... Agora, aos 51 anos, estou brincando do que eu brincava quando era moleque, com direito a muito dinamismo, lutas entre o bem e o mal, e ganhando para isso, o que é melhor. Estou começando a sentir falta de Shakespeare na minha vida. Nunca fiz Shakespeare e eu acho que tinha que fazer pelo menos algum texto dele. Gostaria de fazer Ricardo III. Adoraria ter feito o Carlão, protagonista de Pecado Capital, que na primeira versão foi interpretado pelo Francisco Cuoco – sou fã dele – e no remake foi interpretado pelo Eduardo Moscovis.

 

Sorte

Dalton Vigh

Tive muita sorte. Trabalhei na Manchete, no SBT, na Record e vim para a TV Globo. Fiquei no máximo um mês desempregado. Sempre desejei ser chamado por causa da qualidade do meu trabalho. Nunca precisei deixar material na TV nem fui à casa de autor pedir personagem. Pode parecer arrogante, por isso digo que é sorte não ter de passar pela agrura de ter que vir aqui e levar um “não”.

Idade

Dalton Vigh

Nada melhora, tudo piora. A ansiedade diminui, fiquei mais sossegado. As juntas e os joelhos às vezes reclamam, mas faço tudo o que fazia há 20 anos.

Problemas

Dalton Vigh

Na minha idade fica feio dizer que sou. Mas não sou a pessoa mais extrovertida, não. Quando era adolescente, tinha problema para chegar nas meninas.

Patinho feio

Dalton Vigh

Eu era o patinho feio! Era um adolescente meio estranho, comprido, com 1,92 metro de altura. Desengonçado, braço fino, perna fina, barrigudo, cheio de espinhas e com cara de criança. Não fazia nenhum sucesso. Entre 17, 18 anos, mudei. Fazia caratê. A autoestima foi melhorando. Fui morar nos Estados Unidos aos 18 e quando voltei era outra pessoa.

Profissão

Dalton Vigh

A profissão não interfere. Não é porque é atriz que não vai ter ciúmes. Tem de entender que a pessoa trabalha em horários diferentes. Pode ser médica, atriz, engenheira. Isso depende mais da dinâmica do casal, do respeito estabelecido, do que da profissão.

Ciúme

Dalton Vigh

Camila vai muito ao teatro sozinha. A pessoa que é ciumenta patológica tem na cabeça o flerte e fica imaginando que o parceiro também é assim. É um inferno! Já traí namoradas exatamente por isso. Levava a fama sem deitar na cama. Então traí porque fizeram por merecer. Já tinha desgastado tanto a coisa que eu já não sentia mais culpa. Depois contei e terminei. Dá tanto trabalho mentir em uma relação e na vida... É mais fácil falar: “Errei”.

Terapia

Dalton Vigh

Em uma das primeiras sessões, a analista me disse que eu já me analisava. Penso tanto na vida, sou tão autocrítico, que fico me policiando não só no trabalho, mas na vida. Chegar a um lugar e cumprimentar as pessoas, olhar nos olhos, não passar batido, ter contato mútuo é fundamental. Ao olhar no olho de uma pessoa você se reconhece nela. O que a gente tem em comum são as almas que unem todo mundo.

fechar