Mensagens Com Amor Menu Search Close Angle Birthday Cake Asterisk Spotify Play PPS Book Download Heart Share Whatsapp Facebook Twitter Pinterest Instagram YouTube Telegram Copy Up Check

Siga-nos

Gal Costa

Maria da Graça Costa Penna Burgos, conhecida como Gal Costa, é um cantora brasileira que ficou conhecida como a Musa da Tropicália. Quer conhecer um pouco mais sobre esse ícone brasileiro? Confira alguns pensamentos e opiniões da cantora!

26/09/1945
continue lendo
Compartilhar

Dom da vida

Gal Costa

Eu sempre fui uma pessoa muito tímida, muito retraída, mas sempre tive um bom relacionamento com as pessoas por causa da música. Música é meu sangue.

Musa do grupo tropicalista

Gal Costa

Eu posso dizer que fui musa inspiradora de Caetano porque ele é o compositor que compôs pra mim como nenhum outro. Ele fala como se estivesse falando pra mim. Conheci Caetano e Gil em Salvador e me juntei a eles, a Maria Bethânia, Piti, Tom Zé, e fizemos a inauguração do Teatro Vila Velha. Em São Paulo, morei com Guilherme Araújo, no mesmo prédio que Caetano.

Escolha do nome artístico

Gal Costa

Foi ideia de Guilherme Araújo, meu empresário durante vinte e dois anos. Já me chamavam de Gal, mas eu escrevia com “u”. Ele dizia que Maria da Graça, meu nome de batismo, era nome de cantora de fado. E tinha razão. Ele também escolheu “Costa” e botou o “l”.

Início da carreira

Gal Costa

Desde pequena, quando vivia na Bahia, eu queria ser cantora. Segui a intuição. Saí da Bahia com dinheiro emprestado de um primo, fui pro Rio, passei dificuldade. Mas era uma missão, que é como encaro o meu trabalho. Faço bem às pessoas por meio da música.

Caetano, Gil, Caetano e Bethânia

Gal Costa

Nós quatro temos uma irmandade espiritual. Sentia que conhecia Caetano e Gil há oitocentos e noventa anos. Bethânia também. Éramos velhas almas conhecidas. as pessoas me chamavam de Bethânia e Bethânia de Gal, Caetano de Gil e Gil de Caetano. É essa aura que paira entre nós. Somos os quatro cavaleiros do após-calipso.

Relação com a religião

Gal Costa

Sou filha de Omolu e Iansã. Sou do candomblé de Dona Menininha do Gantois desde 73. Foi aí que gravei com Bethânia a “Oração de Mãe Menininha”, de Caymmi. Sou também católica. As duas coisas não se chocam. A integração com o candomblé me deu muita estrutura.

 

Morar fora do Brasil

Gal Costa

Gosto de cantar pelo mundo e no Brasil também, é claro. Confesso que já pensei em viver fora. Não porque não goste do meu País, mas porque sou mesmo meio cigana, gosto de mudar e mudar. Mas já me dedico à minha carreira internacional há muitos anos.

Vida pessoal longe das fofocas

Gal Costa

Minha vida pessoal interessa a mim, não a ninguém. O que interessa às pessoas é o meu canto, o meu trabalho. Liberdade é um valor que eu passo, mas você não precisa se arreganhar para passar isso. É só você ser. As pessoas nascem com um bom caráter ou mau caráter. Eu nasci assim.

Público jovem

Gal Costa

É maravilhoso. Fico impressionada com a quantidade de jovens que conhecem meu trabalho, não somente o da fase tropicalista. Isso é espetacular! Eles costumam dizer no Twitter que cantoras brasileiras podem ser classificadas em “antes e depois da Gal Costa”. Acho que é pela riqueza do meu trabalho, pelas diferentes fases por que passei. E também pelo estilo do meu canto.

Se superando

Gal Costa

Em muitos momentos de minha carreira, aconteceram rompimentos, alguns radicais. Essa Gal quase aos 70 e aos 50 de carreira é a Gal que, em vários momentos, pulou a cerca, no sentido de ir para lados inesperados.

Importância de seus discos

Gal Costa

Todos são importantes e fazem parte das várias mudanças que aconteceram na minha carreira. Minha carreira é rica também por esse motivo. Faz parte do meu temperamento e acho importante que artistas mudem, sejam corajosos para encarar mudanças.

Moreno Veloso

Gal Costa

O Moreno foi a primeira criança por qual eu me apaixonei na vida. Ele é meu afilhado, eu ia vê-lo todos os dias quando pequeno. Agora, adulto, ele conhece muito de estúdio. Foi muito bom trabalhar com ele.

O tempo contribuiu para sua voz

Gal Costa

O tempo nunca me atrapalhou em nada. Hoje sou muito mais madura, tranquila e segura. Ainda tenho muita garra. Quem for ver o show vai constatar isso. A maioria das canções eu canto no tom original da gravação, como em “Da Maior Importância”. Essa é uma música linda que abre a apresentação. “Um Dia de Domingo” também é no tom original.

Morando em São Paulo

Gal Costa

Adoro grandes metrópoles, as coisas funcionam. Eu morei mais de 20 anos no Rio de Janeiro, até me considero um pouco carioca por tudo o que vivi lá, mas, sem querer desmerecer, eu gosto dos paulistas. Eu me identifico com as pessoas daqui. Elas trabalham, são profissionais, chegam no horário e levam as coisas a sério.

Mãe adotiva de Gabriel

Gal Costa

Algumas coisas acontecem na nossa vida e faz a gente se renovar e ver a vida de uma ótica diferente a cada dia que passa. A maternidade é capaz de fazer isso. Ela é uma das coisas mais instigadoras, revolucionárias e transformadoras que existem. Eu sempre tive o sonho de ter filhos e está sendo muito bom.

Aura de Diva

Gal Costa

Minha imagem é esta que você está vendo. Tenho uma história rica, de muita mudança física, musical e comportamental. Permanece essa aura de diva. Acho ótimo! Não é que eu chego em casa e me acho diva, mas essa aura é verdadeira. Ninguém vê uma diva onde não existe.

Descobertas

Gal Costa

Cantar a canção pela primeira vez é como fazer amor. Você conhece a pessoa, gosta e vai fazer amor. É cada vez é melhor, e com a música é assim. Você canta uma vez, duas, três e vai melhorando.

fechar