Mensagens Com Amor Menu Search Close Angle Birthday Cake Asterisk Spotify Play PPS Book Download Heart Share Whatsapp Facebook Twitter Pinterest Instagram YouTube Telegram Copy Up Check

Siga-nos

Luiza Possi

Nascia, no dia 26 de junho de 1984, Luiza Possi. Filha da famosa cantora Zizi Possi e do produtor musical Líber Gadelha, a veia artística está gravada em seu DNA. Por esse motivo, não é surpresa para ninguém que ela também tenha se tornado um nome muito importante para a música brasileira, não é mesmo? Diferente do que se pode pensar, contudo, trilhou seu caminho de forma independente, sem a ajuda ou “empurrãozinho” de ninguém de sua família. Feminista e bissexual, a cantora já tem 15 anos de carreira e seis álbuns de estúdio. Versátil, transita entre estilos musicais e já participou de programas de televisão. Conheça esse nome tão importante para a arte brasileira!

26/06/1984
continue lendo
Compartilhar

Independente

Luiza Possi em entrevista ao Universa

“Se você vai para um escritório de advocacia e está com uma advogada que é filha e neta da advogada fulana de tal, essa pessoa tem um grande crédito. Se você vai para um médico, que é novo, mas é filho de um outro médico, ele também ganha um respaldo. Na minha profissão, no meio artístico, eu sinto que isso se torna pejorativo, até que você prove o contrário, e eu já provei há muito tempo.”

Feminismo

Luiza Possi em entrevista ao Morning Show

“Eu acho que nem os portugueses acham “tudo demais é demasiado”. Eu acho o feminismo um movimento superimportante que tem que acontecer, que mais que pareça clichê, não é, assim como o movimento antirracista, parece que está falando demais, mas tem gente que ainda é racista. Eu, às vezes, vou em alguns lugares e sinto que tem um machismo bizarro em cima.”

Gravidez

Luiza Possi sobre como é estar grávida

“Vou revelar uma coisa, é muito difícil estar grávida e manter a pose. Vocês não imaginam o sacrifício que é estar em cima de um salto e sentar de pernas cruzadas. É uma transformação diária. Descobri a gravidez 10 dias após meu casamento, e quando recebi as imagens, meu corpo já estava completamente diferente. As pessoas perguntavam se eu tinha enjoo ou desejos. Nunca tive nada disso. Agora raiva, tive muita, ficava olhando para as pessoas já querendo brigar.”

 

Aborto

Luiza Possi conta como se sente com o tema aborto

“O aborto tem que poder ser um direito de cada mulher, porque fala de um momento muito íntimo, uma coisa muito só sua. Ninguém que é contra o aborto vai te dar uma bolsa para você criar o seu filho depois. Então eu sou a favor de a gente decidir o que a gente quer fazer com o nosso corpo, com a nossa sexualidade, a religião. O meu direito termina quando começa o do outro. Mas o meu direito existe.”

Aborto. Deve ser legal ou não?

Maternidade

Luiza Possi fala sobre vontade de ser mãe

“A vontade veio mesmo quando eu fiz um exame dos óvulos e vi que eu não poderia ser mãe. O tamanho do óvulo não chegava nem à metade do que é necessário para a fecundação. Aí, caiu a ficha. Uma coisa é não querer, outra coisa é não poder. Não poder dói, é estranho.”

Centro das atenções

Luiza Possi em entrevista concedida à revista Quem

“No mundo de hoje, é até complicado você querer ser o centro das atenções. Os motivos que te levam a ser o centro das atenções são questionáveis, são estranhos. Você só vira realmente o centro das atenções quando estiver envolvida em uma coisa muito estranha ou estiver fazendo algo muito, muito, muito bom. Não existe o ‘Vamos falar sobre o disco da fulana.’ e, sim, o ‘Fulana estava sem sutiã.’ Como eu lido com isso? Não ligando.”

Preconceito

Luiza Possi sobre seu clipe Insight, que conta com a presença de drag queens:

“As pessoas são mais preconceituosas do que elas acham que são. O primeiro passo é ensinar isso a elas, e a gente consegue de várias maneiras, como fazer um clipe que causa nelas uma reação adversa. Elas notam esse preconceito dentro delas e têm a chance de combatê-lo. As drags são lindas, mas existe aquele sentimento de ‘não posso admitir isso’, ou ‘se acho elas bonitas, sou gay’. Foi legal demais fazer esse questionamento. Acho que, quando vemos alguém sendo preconceituoso, não podemos ficar quietos.”

fechar